Neve e avalanches no Afeganistão mataram já mais de 106 pessoas e fizeram dezenas de feridos. Na fronteira com o Paquistão morreram 53 pessoas, numa pequena aldeia em Nuristan. Outras 13 pessoas morreram também no norte do Paquistão, na cidade de Chitral, avança a BBC. No total, dá-se já conta de mais de 200 mortes, informa a Reuters.

Segundo relata a BBC, dezenas de casas ficaram destruídas, várias pessoas ficaram presas dentro de carros e, em alguns casos, morreram congeladas. Wais Barmak Ahmad, Ministro dos desastres naturais do Afeganistão, não confirmou o exato número de mortes à BBC afegã mas registou avalanches também na capital, Cabul. Pelo menos duas cidades estarão completamente soterradas pela neve.

Segundo a ABC, as equipas de resgate estão a ter sérias dificuldades em conseguir chegar perto das pessoas presas debaixo da neve, especialmente pelo mau tempo que se continua a sentir e pelas estradas bloqueadas. Segundo Khalilullah Ghayor, membro do Concelho Provincial, pelo menos dois helicópteros serão enviados para o local para tentar resgatar vítimas.

Também o principal aeroporto internacional de Cabul foi fechado devido à neve e gelo nas pistas. Segundo fontes policiais, na estrada que liga Cabul a Kandahar já foram retirados cerca de 250 veículos que estavam presos, com a ajuda de polícias e soldados. Nestas buscas, foram encontrados pelo menos dois corpos congelados até à morte e outras dezenas de pessoas estão presas sem água ou comida.

Segundo afirma a Reuters, o número de mortes pode aumentar nos próximos dias, especialmente porque vários pontos de comunicação foram cortados pela tempestade. Segundo a mesma agência, os Estados Unidos da América e o Irão estão entre os países que já se ofereceram para enviar ajuda humanitária ao Afeganistão. As autoridades continuam a alertar para perigo de mais avalanches e espera-se que as tempestades de neve continuem.