Passatempos

Festival “às vezes o amor”. Ganhe bilhetes duplos

O "Montepio às vezes o amor" é um festival que celebra o dia de São Valentim ao som da música portuguesa. Este ano, os concertos acontecem dias 11 e 14 de fevereiro, em cidades por todo o país.

Raquel Tavares atua dia 11 de fevereiro em Beja

HUGO DELGADO/LUSA

O Montepio – às vezes o amor é um festival de música que celebra o dia dos namorados de norte a sul do país. Aveiro, Beja, Castelo Branco, Coimbra, Faro, Lagoa, Leiria, Lisboa, Porto, Viana do Castelo, Vila do Conde e Vila Nova de Gaia são as 12 cidades que vão acolher os 12 artistas portugueses nesta terceira edição do festival.

No dia 11 de fevereiro atuam Rui Veloso e Aurea (com concertos já esgotados), Jorge Palma no Teatro Aveirense, HMB no Teatro Municipal em Vila do Conde, Rita Guerra no Centro Cultural e Social do Olival em Vila Nova de Gaia e Raquel Tavares no Pax Julia – Teatro Municipal, em Beja.

Já no dia 14 de fevereiro, os artistas em destaque são Deixem o Pimba em Paz (Bruno Nogueira e Manuela Azevedo) no Coliseu de Lisboa, os Amor Electro no Coliseu do Porto, João Pedro Pais no Teatro das Figuras, em Faro, Gisela João no Convento de São Francisco em Coimbra, Paulo Gonzo no Centro de Congressos de Arade em Lagoa, e André Sardet no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria.

Como queremos celebrar este dia consigo, temos um bilhete duplo para oferecer para cada um destes espetáculos:

  • HMB em Vila do Conde, dia 11 de fevereiro
  • Raquel Tavares em Beja, dia 11 de fevereiro
  • Amor Electro no Porto, dia 14 de fevereiro
  • Deixem o Pimba em Paz em Lisboa, dia 14 de fevereiro
  • Paulo Gonzo em Lagoa, dia 14 de fevereiro
  • André Sardet em Leiria, dia 14 de fevereiro

Para participar, terá que identificar a sua cara-metade na caixa dos comentários do post de Facebook do respetivo passatempo, e partilhar a publicação. Depois, envie um email com uma frase/declaração de amor original que deve conter as palavras “Observador” e “Montepio às vezes o amor”, que não pode ter mais de 300 caracteres. Para além da frase, no corpo do email, diga-nos qual é o espetáculo que quer ir ver, o seu nome completo e o número de identificação (BI/CC).

As participações devem ser enviadas para leitor@observador.pt com o assunto “Montepio às vezes o amor”, até dia 8 de fevereiro, às 23:59h. Só será aceite uma frase por email e ganha a declaração mais criativa. O bilhete vencedor deverá ser levantado na bilheteira no dia do espetáculo escolhido, mediante apresentação do BI ou do CC. Consulte o regulamento neste link.

Boa Sorte!

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Partir A. Ventura /premium

José Diogo Quintela

Ventura quer mudar o sistema por dentro. É uma espécie de supositório humano: faz-se introduzir no organismo para depois exercer a sua influência. Ei-lo metade glicerina, metade convicção ideológica.

Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)