Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Perto de 100 empresas tecnológicas norte-americanas, entre as quais a Apple, o Facebook e a Google, enviaram uma carta ao Tribunal de Recurso do Nono Circuito em que se mostram contra a ordem executiva de Donald Trump que restringe a entrada de imigrantes nos Estados Unidos da América.

Defendendo a importância central dos imigrantes na sociedade e economia norte-americanas, o documento deu entrada este domingo no Tribunal de Recurso do Nono Circuito, com sede em São Francisco, na Califórnia. Segundo a Bloomberg, as 97 empresas, que incluem também a Zynga, a Airbnb e a Netflix, planearam avançar com o caso durante esta semana, mas decidiram acelerar o processo devido a questões legais.

Na carta, é referido que “os imigrantes fizeram muitas das grandes descobertas da Nação e criaram algumas das mais inovadoras e icónicas empresas do país”. “Há muito que a América reconheceu a importância de nos protegermos contra aqueles que nos querem fazer mal, mas tem-no sempre feito mantendo o nosso compromisso em desejar as boas vindas aos imigrantes — através do aumento da verificação do historial e de outros controlos às pessoas que tentam entrar no nosso país.”

Isto acontece um dia depois de o mesmo tribunal de recurso ter recusado o pedido da administração de Trump para restabelecer imediatamente a aplicação do decreto, cuja entrada em vigor foi bloqueada pelo juiz federal James Robart na sexta-feira, com efeito imediato, obrigando o Governo norte-americano a revalidar milhares de vistos e a alterar protocolos de atuação. O executivo pode agora recorrer para o Supremo Tribunal, o que deverá acontecer muito em breve.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Sillicon Valley já se tinha mostrado contra a ordem executiva assinada pelo presidente Donald Trump a 27 de janeiro, com vários responsáveis a assumirem-se publicamente contra o decreto que restringe a entrada de imigrantes de sete países muçulmanos, incluindo a Síria, e de refugiados, afirmando que muitas das empresas não existiriam sem eles.

De acordo com a Bloomberg, algumas das empresas que assinaram este domingo o documento enviado ao Tribunal de Recurso do Nono Circuito pretendem também escrever uma carta aberta a Trump, expressando a sua preocupação em relação à ordem executiva e oferecendo ajuda para resolver a situação.