O ministro da Defesa português, Azeredo Lopes, defendeu esta segunda-feira que a União Europeia deve “reafirmar” a sua “capacidade própria” em matéria de defesa “sem com isso diminuir o papel da NATO”.

Azeredo Lopes, que falava numa conferência conjunta com os ministros da Defesa de Espanha, França e Itália, após o terceiro encontro dos países do “Quarteto do Sul”, respondia a uma pergunta sobre se na reunião foi considerado necessário reforçar as capacidades europeias no que toca à Aliança Atlântica e não depender tanto dos 75% dos EUA.

“Não se trata de uma questão de independência ou de um grito do Ipiranga (…). Não se entenda isto como uma contradição face a nosso empenhamento com a NATO. O que se trata é de reafirmarmos a nossa capacidade própria em assegurarmos a nossa defesa e a nossa segurança sem com isso diminuir o papel da NATO“, disse o ministro português.

Azeredo Lopes procurou vincar que grande parte dos membros da União Europeia são membros da NATO e que ambas as organizações dialogam, dando como exemplos as operações “Sophia” e “Sea Guardian” que decorrem no Mediterrâneo.

Não temos tendências esquizofrénicas. Acho que está feita a demonstração de que estamos a encontrar um caminho equilibrado, ambicioso e europeu de maior responsabilidade em matéria de defesa”, disse o governante português, salientando que as relações entre a UE e a NATO são “saudáveis”.

Azeredo Lopes respondia aos jornalistas ladeado pelos seus homólogos espanhol, Maria Cospedal, francês, Jean-Yves le Drian, e italiana, Roberta Pinotti, numa reunião que decorreu no Palácio da Bolsa, no Porto, e na qual foi assinada uma carta que será enviada ao secretário-geral da organização.

O governante não quis adiantar muito sobre o teor do documento, reservando a divulgação para depois do destinatário tomar conhecimento do seu conteúdo, mas confirmou que neste encontro do “Quarteto Sul” foram abordados temas relacionados com uma estratégia da NATO para o chamado flanco sul, bem como ligados à nova América de Trump.

Este encontro antecede a reunião dos ministros de Defesa dos 28 países da NATO, que decorrerá nos dias 15 e 16, em Bruxelas, Bélgica, onde está sediada a organização.