A bola de futebol que estava a bordo do vaivém Challenger e que sobreviveu à explosão do veículo espacial foi posta em órbita, mais de trinta anos depois do acidente que vitimou sete astronautas ao fim de apenas 73 segundos de voo. Shane Kimbrough, astronauta da NASA e comandante da Expedição 50, partilhou a imagem da bola em órbita numa fotografia tirada através da janela de uma cúpula da Estação Espacial Internacional. A bola pertencia à filha de Ellison Onizuka, um dos astronautas que morreu no acidente e que tinha levado o objeto como recordação da rapariga de 16 anos, que jogava futebol na equipa dos Falcons.

Antes de ser enviada para o espaço, a bola foi assinada por todos os membros da equipa de futebol Clear Lake High School (Houston, Texas), onde estudava e treinava a filha de Ellison Onizyka e onde agora estuda e treina o filho do comandante Shane Kimbrough. “Esta bola de futebol continuou a missão em que o meu pai embarcou há tantos anos. Continuar a viajar e a explorar o espaço e a inspirar tanta gente ao longo da História”, disse a filha de Ellison, Janelle Onizuka-Gillian, num documento enviado à imprensa.

A 28 de janeiro de 1986, os astronautas Dick Scobee (comandante), Michael Smith (piloto), Ron McNair e Judy Resnik (especialistas de missão) e Gregory Jarvis (especialista de carga) e Christa McAuliffe (professora) perderam a vida quando o frio comprometeu uma das peças do vaivém Challenger fazendo-o explodir 73 segundos depois de ter descolado a partir do Cabo Canaveral. Alguns objetos pessoais levados pelos tripulantes foram recuperados pouco depois, quando foram encontrados a flutuar na água.