Rádio Observador

Teatro

“Avenida Q”. Os miúdos já são adultos mas estão bem

215

"Avenida Q" é o musical que chega a Lisboa com uma temporada de sucesso na Broadway no currículo. O espectáculo estará em cena de 8 de fevereiro a 2 de abril, no Teatro da Trindade.

É na “Avenida Q” que vive o Luís (o recém-licenciado cheio de esperanças), a Marta (à procura do amor), a Paula (a porca), o Trekkie (o tarado), o Félix (o gay no armário) e muitas outras personagens que enfrentam vários problemas como jovens adultos.

Neste musical, onde convivem humanos e marionetas, o grupo de amigos vai refletir sobre as desilusões que afetam todos: tentar encontrar emprego, os namoros, problemas com colegas de casa, preconceitos e, no limite, descobrir um propósito para a nossa própria vida. Está tudo junto num espectáculo que funciona como uma espécie de Rua Sésamo, mas para adultos.

Escrito por Robert Lopez e Jeff Marx, o musical chegou à Broadway em 2003 e ganhou vários prémios Tony (os que distinguem os melhores do teatro americano). Em Portugal, o espectáculo é encenado por Rui Melo e no elenco conta com nomes como Ana Cloe, Diogo Valsassina, Gabriela Barros, Rui Maria Pêgo e Inês Aires Pereira, entre outros.

Ao Observador, Rui Melo confessou que teve “o trabalho muito facilitado”: “Tenho uma equipa de produção incrível, um texto muito bom e um grupo de atores do qual sou fã”. Além do ensaio que durou três meses, os atores tiveram de fazer um curso intensivo sobre como usar as marionetas em palco. Diogo Valsassina conta que “o grupo se dá muito bem e que dá prazer trabalhar assim” e convida o público a vir ver o espectáculo “sem medos e sem redes. É algo diferente do resto mas vai marcar os espectadores”.

O encenador explicou que a peça se passa “num mundo diferente do nosso, num universo meio onírico, onde algumas personagens são marionetas e outras são humanas, na realidade como acontecia na Rua Sésamo e nos Marretas, onde as marionetas contracenavam com humanos”. Acrescenta que “fazer isto em Portugal é uma responsabilidade, porque já esteve em mais de 20 países e em todos eles se transformou num espectáculo de culto. Portanto, o nosso objetivo é alto e a fasquia está elevada. Queremos que as pessoas venham ver e queiram repetir e pelas amostras que temos tido, achamos que estamos no caminho certo”.

“O que vai atrair as pessoas é a estética e a própria linguagem. Neste espectáculo a linguagem é meio de programa infantil mas torna a coisa muito engraçada porque os temas abordados são bastante adultos. É uma forma de pôr as pessoas a refletir sobre o que é esta transição da vida de jovem para a de adulto. É muito engraçado ver aquela perspetiva de que quando somos jovens o mundo é todo nosso e somos os maiores mas depois recebemos a primeira renda de casa ou a conta da eletricidade e afinal não é tão divertido assim”, disse Rui Melo.

“O espectáculo é muito transversal, é dos 14 até aos 80 anos. Toda a gente se vai identificar, quer seja os que estão a passar por esta fase agora, quer os que já passaram, porque todos vivemos estes dramas. Em diversos períodos temporais mas todos passámos por estas dúvidas. O que é crescer? O que é passar a ser um adulto e ser responsável? O que é que temos de abdicar? E o que é que ganhamos com isto?”, reflete o encenador do espectáculo que é acompanhado por música ao vivo.

A peça “Avenida Q” estreia dia oito de fevereiro e estará em exibição até dois de abril, no Teatro da Trindade, em Lisboa. Quarta-feira a sábado, às 21:30h e domingo, às 16:30h. O bilhete custa entre 12€ a 18€.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)