Novo Banco

Construtor José Guilherme garante que tem “tudo em dia” com o Novo Banco

Empresário que deu "liberalidade" de 14 milhões a Salgado garante que está a "cumprir ao milímetro" com o Novo Banco e explica que o que deve está relacionado com créditos a que deu avales.

José Carlos Pratas/Global Imagens

O construtor José Guilherme garante que está a “cumprir ao milímetro” todas as obrigações com o Novo Banco, pelo que não faz sentido, na sua perspetiva, que o Lone Star — fundo interessado na compra do Novo Banco — dê como perdidos os mais de 200 milhões de euros que, segundo o Jornal de Negócios, o empresário deve à instituição liderada por António Ramalho. A dívida, que o construtor justifica com a assunção de créditos de outros empresários a quem José Guilherme prestou avales, foi reestruturada há cerca de um ano e, nos novos termos, implica o pagamento de 10 milhões de euros por ano em juros e capital.

A notícia saiu ontem, a reação vem hoje. O Jornal de Negócios escreve que José Guilherme recusa qualquer “calote” ao Novo Banco. “Assumi dívidas de outros [devedores]. Estou a pagar as minhas dívidas e as dos meus sócios. Estou a cumprir ao milímetro o que acordei com o Novo Banco”, afirmou o construtor.

A dívida de José Guilherme ao Novo Banco ainda é valorizada pelo balanço da instituição financeira, mas é um dos vários ativos que a Lone Star quer cobrir com uma garantia pública, mostrando que tem grandes dúvidas sobre se o valor será pago na íntegra.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Eutanásia

A morte não vencerá

Tiago Macieirinha

Sob a desculpa da compreensão pelos que sofrem, os projetos de lei que se apresentam no Parlamento significam antes a desistência em relação a eles. 

passeio aleatório

O meu vizinho Philip Roth /premium

Nuno Crato

Morreu um dos maiores romancistas das últimas décadas. A emigração portuguesa em Newark conhece bem o ambiente dos seus romances. Mas talvez o sentido de tolerância nos leve bem mais perto do escritor

Eutanásia

Eutanásia: porque não /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Em todos os países em que se pratica a eutanásia, é origem e causa de irremediáveis abusos contra a vida e a dignidade humana.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)