Mais do que fazerem parte do seu património histórico, as bicicletas estão na génese da Peugeot, e desde 1892 que a empresa francesa se dedica a esta atividade. Passados 125 anos, o laboratório de design da marca do leão apresenta uma bicicleta em que, afirma, assentarão as bases estética do mundo do ciclismo nos próximos anos.

O futuro o dirá. Mas algo há que é, desde logo, inegável neste protótipo denominado DL121: é uma bicicleta a que ninguém conseguirá ficar indiferente. Assumidamente na fronteira entre a arte e a funcionalidade, trata-se de um exercício de estilo e investigação, da autoria do próprio director técnico do Peugeot Design Lab, Cathal Loughnane, que combina materiais, cores e conceitos diametralmente opostos.

Construída em alumínio e carbono, a DL121 tira partido da separação diagonal existente entre as suas duas metades, conta com uma secção decorada a cobre, e com uma parte traseira revestida a pele genuína de cor branca. Ao mesmo tempo, recorre a uma roda posterior convencional por raios, sendo a dianteira em carbono com cinco braços.

Outros detalhes a reter: a cremalheira de 18 dentes com uma só velocidade, as guias Nokon para os cabos internos, o selim Italia X1 e o porta-bagagens montado entre as duas travessas do quadro. Não obstante tratar-se, essencialmente, de um estudo, a DL121 está disponível para venda. Mas em edição limitada, e sendo cada unidade profusamente personalizada, razão pela qual o Peugeot Design Lab se escusa a revelar o montante pelo qual será possível adquirir cada exemplar.