Banca

BCP já devolveu ao Estado os 700 milhões de euros que devia

132

Banco cumpriu, nesta quinta-feira, um dos objetivos da realização do mais recente aumento de capital, em que recolheu 1.330 milhões de euros.

Nuno Amado. Millennium BCP reembolsou os três mil milhões de euros que pediu ao Estado

Autor
  • João Cândido da Silva
Mais sobre

O Millennium BCP devolveu ao Estado, nesta quinta-feira, a última parcela do valor que foi emprestado à instituição pelos cofres públicos através de obrigações convertíveis em ações. O pagamento, no valor de 700 milhões de euros e confirmado através de um comunicado emitido pelo Ministério das Finanças, liberta o banco dos encargos que assumiu ao solicitar a injeção de fundos públicos destinada a assegurar o cumprimento das exigências de solvabilidade para o setor financeiro.

O reembolso da parcela agora liquidada foi um dos objetivos traçados pela gestão do BCP quando da apresentação da proposta relativa ao mais recente aumento de capital, acabado de concretizar, que permitiu ao banco recolher no mercado 1.330 milhões de euros. A operação conduziu a ajustamentos no corpo acionista da instituição liderada por Nuno Amado, com os investidores chineses da Fosun a aumentarem a respetiva posição para perto de 24% do capital total e a petrolífera angolana Sonangol a subir a participação para mais de 15%.

Os responsáveis do Millennium avaliam em mil milhões de euros os custos suportados pelo banco ao longo de cinco anos em contrapartida pelo acesso aos instrumentos de financiamento disponibilizados pelo Estado, soma em que se incluem juros, comissões e contribuições para o Fundo de Resolução. No total, a ajuda pública ao banco atingiu três mil milhões de euros.

O Ministério das Finanças considera que o pagamento agora efetuado “demonstra a confiança dos investidores privados no banco, no futuro do setor bancário em Portugal e na economia portuguesa”. O comunicado soma uma referência à concretização da oferta pública de aquisição que o CaixaBank lançou sobre o BPI, que resultou na conquista de 84,5% do capital através de um investimento no valor de 645 milhões de euros. “Também o BPI tem, desde ontem [quarta-feira], uma nova estrutura acionista, assente num dos grupos bancários mais sólidos da Europa, mantendo o seu centro de decisão em Portugal”, lê-se no documento.

Os dois eventos, do ponto de vista do Ministério das Finanças, “contribuem decisivamente para a estabilização do sistema financeiro português, que fica agora mais bem preparado para financiar os projetos mais inovadores e criadores de valor e de emprego para o país”. O comunicado acrescenta que “instituições financeiras mais sólidas aumentam a estabilidade do setor financeiro em Portugal e dão maior confiança quanto ao financiamento e desempenho futuro da economia portuguesa”. Neste cenário de estabilização do sistema financeiro, “enquadra-se ainda o trabalho desenvolvido com as autoridades europeias no processo de recapitalização da CGD e no acompanhamento do processo de venda do Novo Banco”, refere o comunicado.

No plano de recapitalização da Caixa está prevista a conversão em capital das obrigações detidas pelo Estado. Numa operação de recapitalização do banco público, que envolveu a injeção de 1.650 milhões de euros, 900 milhões foram cedidos através da emissão de dívida convertível.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)