O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse esta segunda-feira “lamentar profundamente” o veto dos Estados Unidos à escolha do ex-primeiro-ministro palestiniano Salam Fayyad como enviado especial para a Líbia.

“Lamento profundamente essa oposição, para a qual não vejo razão”, disse Guterres no fórum de decisores políticos que se realiza anualmente no Dubai, World Government Summit.

Guterres descreveu Fayyad como “a pessoa certa para o cargo certo no momento certo”. “É uma perda para o processo de paz líbio e para o povo líbio”, afirmou. António Guterres informou na semana passada o Conselho de Segurança da ONU da intenção de nomear Fayyad para chefiar a missão da ONU na Líbia de promoção do reinício das negociações para um acordo político. A nomeação foi, contudo, bloqueada pelos Estados Unidos, posição que foi elogiada pelo primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, que afirmou não a ONU “não pode estar sempre a dar presentes aos palestinianos”.

“Está na altura de serem dadas posições e nomeações a Israel”, acrescentou.

Netanyahu aludiu a informações publicadas pela imprensa israelita segundo as quais Israel aceitaria a nomeação de Fayyad se a ex-primeira-ministra e deputada da oposição israelita Tzipi Livni fosse escolhida para secretária-geral adjunta da ONU.