Energia Nuclear

Central nuclear de Almaraz cancela sem justificação visita da Ordem dos Engenheiros

A Ordem dos Engenheiros denunciou que a entidade gestora da central nuclear espanhola de Almaraz decidiu cancelar a visita desta comitiva portuguesa ao local sem apresentar quaisquer razões.

A Ordem dos Engenheiros denunciou que a entidade gestora da central nuclear espanhola de Almaraz decidiu cancelar a visita desta comitiva portuguesa ao local, agendada para esta terça-feira, sem apresentar quaisquer razões.

A Ordem dos Engenheiros (OE) de Portugal tinha previsto para esta terça-feira uma visita a Almaraz para se “inteirar dos desenvolvimentos da anunciada intenção de construção de um depósito de resíduos nucleares junto desta central, bem como das perspetivas de prolongamento do seu ciclo de produção”. Hoje, em comunicado, a Ordem diz ter sido avisada na segunda-feira, já durante a viagem para Espanha, do cancelamento da visita, “sem que tenham sido apresentadas as razões subjacentes a tal decisão”.

“A notícia foi recebida com total surpresa por parte da Ordem dos Engenheiros, cuja delegação integra altos dirigentes, membros eleitos e engenheiros eméritos, nomeadamente o Bastonário Carlos Mineiro Aires, os dois Vice-presidentes Nacionais, membros do Conselho Diretivo Nacional, os Presidentes dos Colégios Nacionais de Engenharia Eletrotécnica e de Engenharia do Ambiente, o Coordenador da Especialização de Energia, um membro da Assembleia de Representantes e especialistas”, lê-se na nota de imprensa enviada à agência Lusa.

A Ordem diz ainda que, “neste quadro, manifesta a estranheza perante esta decisão, porquanto sempre ficou claro em todos os contactos que foram previamente estabelecidos que se tratava de uma visita de natureza técnica, cujo propósito assentava na recolha de informações sobre a operação da Central, bem como das perspetivas de prolongamento do seu ciclo de vida e sobre a intenção de construção de um depósito de resíduos nucleares”.

“A Ordem dos Engenheiros de Portugal considera, assim, estar perante uma decisão inesperada, o que lamenta, cujas razões e motivações carecem certamente de uma justificação, pois a mesma contraria o são relacionamento e as normas de cooperação que devem pautar o relacionamento técnico entre entidades dos dois países, assim como a desejável transparência a nível da partilha de informação técnica, em nome da defesa do prestígio e da deontologia da engenharia ibérica”.

Os engenheiros portugueses também referem que, “dado o bom acolhimento do pedido que oportunamente formulou, nada faria perspetivar que a Ordem, “enquanto representante legal da capacidade técnica de um país e como Associação Profissional preocupada com a segurança dos portugueses e com os impactes transfronteiriços, pudesse ser confrontada com este desfecho imprevisível e, a partir de agora, questionável”.

“Estamos, assim, perante um mau exemplo do que deve ser o relacionamento, no campo técnico, entre dois países vizinhos e com preocupações que deveriam constituir o foco de um exemplo de relacionamento. Este inesperado ‘fechar de portas’ à Ordem dos Engenheiros de Portugal não deixará, pois, de ser encarado como uma afronta às mais elementares normas de relacionamento das comunidades técnicas e associativas de Espanha e Portugal e indutor dos mais livres juízos”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)