Organização Mundial de Saúde

OMS declara fim da epidemia de febre-amarela em Angola e República Democrática do Congo

A Organização Mundial de Saúde declarou o fim da epidemia de febre-amarela em Angola e na RD do Congo, que matou mais de 400 pessoas e que classificou "uma das maiores e mais difíceis".

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o fim da epidemia de febre-amarela em Angola e na República Democrática do Congo, que matou mais de 400 pessoas e que classificou “uma das maiores e mais difíceis” dos últimos anos.

Em comunicado, a OMS refere que foram confirmados 965 casos, mas houve milhares de outros casos suspeitos.

Nem Angola nem a República Democrática do Congo relataram casos novos nos últimos seis meses.

Segundo a agência das Nações Unidas para a saúde, mais de 30 milhões de pessoas foram vacinadas em campanhas de emergência para controlar o surto nos dois países vizinhos, que têm dos mais fracos sistemas de saúde do mundo.

“Esta resposta inédita esgotou a reserva mundial de vacinas para a febre amarela várias vezes”, referiu a OMS.

Em Angola, país onde a epidemia fez mais de 400 mortos, as autoridades anunciaram o fim da epidemia a 23 de dezembro de 2016.

As autoridades de Kinshasa anunciaram o fim do surto esta terça-feira.

Segundo a OMS, a doença fez oficialmente 16 vítimas mortais na RDCongo. Outras 145 mortes surgiram como suspeitas de terem ligação ao vírus, mas nada foi comprovado cientificamente.

A febre-amarela é uma doença hemorrágica viral transmitida pelo mosquito ‘Aedes aegypti’, também transmissor de outros vírus, como o Zika ou o Dengue. Afeta as regiões tropicais de África e da América amazónica.

A vacinação é a principal medida de prevenção. A doença é fatal em cerca de 50% dos casos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
191

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)