Rádio Observador

Beleza e Bem Estar

Deixe-se de desculpas. 5 formas de ser mais produtivo

465

Não basta sair da sua zona de conforto, é preciso imaginar o futuro que quer a longo prazo e começar a traçar metas mais curtas. Afinal, está ao seu alcance ter a carreira com que sempre sonhou.

Aprenda a gerir o seu tempo e a sentir-se realizado com as metas que escolheu.

Getty Images/iStockphoto

Não basta estar ocupado, é preciso ser-se produtivo. Resumindo, esta é a ideia principal que consta no livro “Fazer Mais em Menos Tempo”, de Brian Moran e Michael Lennington (editora Clube do Autor), ambos especialistas em liderança e desempenho, à venda em Portugal desde meados de janeiro.

O livro assenta num plano a 12 semanas (já lá vamos) que promete ensinar o seu leitor a melhorar quatro vezes ou mais o desempenho atual (e resultados associados) num curto espaço de tempo. Na verdade, os autores argumentam que “o desempenho é o único grande diferenciador do mercado”, uma vez que a verdadeira sabedoria está em saber executar bem uma tarefa, fazê-la com firmeza e ser consistente na performance laboral.

O método aplica-se tanto a equipas como a indivíduos, quer a nível profissional quer pessoal, e pretende contribuir para o aumento de rendimento e para a redução do stress, motivo pelo qual optámos por reunir algumas das principais ideias que o livro tem para oferecer. Afinal, quer ou não quer a carreira com que sempre sonhou?

O livro está à venda por 12,50€.

Periodize o seu tempo (é melhor o ano ter 12 semanas do que 12 meses)

O que seria diferente na sua vida se todos os dias desse o melhor de si? A pergunta, feita pelos autores, é o ponto de partida para explicar o processo que leva uma pessoa a ter um desempenho cada vez melhor e estar, assim, mais perto da sua definição de sucesso. Se por um lado há a vida que vivemos e, por outro, a vida que somos capazes de viver, porque não escolher a melhor versão de nós próprios?

O caminho em causa passa inevitavelmente por um método de execução de 12 semanas. Para melhor o explicar, é preciso referir que, muito provavelmente, é no final do ano que somos mais produtivos porque existe uma meta que se aproxima a passos largos (o dia 31 de dezembro é dia negócios fechados e assuntos arrumados). E, já agora, não raras vezes medimos o nosso desempenho de um ano para o outro. A pensar nisso, os autores argumentam que, muitas vezes, “os objetivos e os planos anuais são um obstáculo para um desempenho elevado” uma vez que, ao acreditar que para o final do ano falta sempre muito tempo, falta-nos o sentido de urgência.

Falta-nos o sentido de urgência, não percebemos que todas as semanas, todos os dias, todos os momentos são importantes. Afinal, o desempenho eficaz acontece diária e semanalmente.” Fazer Mais em Menos Tempos (pág. 18)

A citação acima serve de mote para, em vez de pensarmos em metas anuais, optarmos por ciclos temporais mais curtos. É aqui que entra a periodização, que curiosamente começou por ser uma técnica de treino desportiva concebida para melhorar drasticamente o desempenho. Dela faz parte a ideia de nos concentrarmos numa só tarefa à vez durante um determinado período de tempo, de maneira a maximizarmos a nossa capacidade em cada trabalho. Adivinhou: a técnica de origem desportiva também faz sentido quando aplicada à vida laboral (e pessoal) das pessoas ou equipas:

O Ano das 12 Semanas é uma abordagem estruturada que, fundamentalmente, muda a sua maneira de pensar e agir. (…) Em última análise, é a sua maneira de pensar que dá origem aos resultados que obtém: é o pensamento que gera a suas experiências de vida.”

O método do Ano das 12 Semanas começa, então, por alterar a nossa intenção, uma vez que existe “um elevado sentido de urgência e uma concentração acrescida” face às tarefas que devem ser executadas em ciclos de 12 semanas (um ano passa, então, a equivaler a 12 semanas em vez de 12 meses). “O entusiasmo, a energia e a concentração que se verificam em todos os meses de dezembro acontecem agora continuamente.”

Tenha uma visão clara do futuro que ambiciona (e saia da sua zona de conforto)

Não é muito difícil de perceber que para se desempenhar uma atividade com sucesso é preciso termos um interesse emocional forte no resultado final (nota para o leitor: nem todos os artigos dão o mesmo gozo a fazer). Quando não há uma razão convincente para desempenhar determinada tarefa, dá-se o caso de, por vezes, a pessoa escolher a atividade mais agradável em detrimento da mais desagradável, a mais confortável em detrimento daquela que receamos e sobre a qual temos dúvidas do nosso próprio sucesso. “De acordo com a nossa experiência, a primeira coisa que terá de sacrificar para ter sucesso, para atingir aquilo de que é capaz e pôr os seus planos em marcha é o seu conforto”, escrevem os autores.

Dito isto, é essencial criar e manter uma “visão convincente do futuro”, ou seja, é preciso que consiga vislumbrar tudo o que quer ser a longo prazo, algo que deseja mais do que esse conforto fácil a curto prazo. É pois a sua perspetiva de vida que impulsiona o seu trabalho, uma vez que o maior obstáculo para um bom desempenho é precisamente a criação mental.

Para atingir um nível de desempenho melhor do que o atual, tem de ter uma visão de futuro mais ampla. Tem de descobrir uma visão a que esteja emocionalmente ligado. Sem uma visão de futuro convincente, descobrirá que não há motivo para sofrer a dor da mudança.” (Pág. 28)

Os autores do livro defendem que é precisa uma visão clara do futuro que ambicionamos. (Foto: Getty Images/iStockphoto)

Pontue a sua performance

A avaliação conduz o processo empresarial, lê-se na obra, onde se defende que a marcação de pontos (leia-se pontuação) permite-nos perceber se estamos realmente a ser eficazes. A ideia é simples: se tivermos ao nosso dispor uma pontuação eficaz, somos obrigados a confrontar a realidade — se somos ou não eficientes –, ao invés de fechar os olhos ou, então, cair na tendência para racionalizar os resultados fracos. Apesar de ser difícil enfrentarmos a realidade, a verdade é que quanto mais cedo o fizermos, mais cedo podemos fazer as devidas alterações. E caso pense que esta forma de atuar pode ser desmoralizante, pense duas vezes:

Uma ideia errada habitual é que a pontuação prejudica a autoestima, mas os estudos feitos a este propósito indicam o contrário: a avaliação gera autoestima e confiança, pois documenta o processo e a realização.”

Aprenda a gerir o tempo

Não raras vezes a principal desculpa para não conseguir realizar uma tarefa passa pela falta de tempo. Curiosamente, o livro cita um estudo realizado há alguns anos pela Salary.com que concluiu que, em média, as pessoas desperdiçam aproximadamente duas horas em cada dia de trabalho. É, pois, fundamental aprendermos a gerir o nosso tempo, sendo que o conselho passa por abandonar uma estratégia reativa, no sentido em que se cumpre um dia de trabalho à medida que as tarefas vão surgindo, em detrimento da priorização dos trabalhos, essa arte de saber dizer sim e não às diferentes exigências.

Para tirar o máximo partido de si próprio, tem de aprender a ser mais cuidadoso na gestão do tempo. Viver com objetivos claros vai contra a poderosa tendência natural de ser reativo, pois exige que organize a vida em torno de algumas prioridades e leva-o a escolher conscienciosamente as tarefas que andam a par com os seus objetivos e a sua visão de futuro.” (Pág. 50)

Saiba distinguir interesse de compromisso

Por último, importa referir que existe uma diferença clara entre interesse e compromisso. Escrevem os autores que, quando estamos interessados em fazer algo, só o fazemos quando as circunstâncias o permitem. Quando estamos comprometidos em fazê-lo não há desculpas que nos valham, apenas resultados. Então, está interessado/a ou comprometido/a em melhorar o seu desempenho?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)