Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Paris, Texas”

Um dos melhores filmes de Wim Wenders, agora reposto em cópia nova, “Paris, Texas”, beneficia imenso do argumento de Sam Shepard (com a colaboração de L.M. Kit Carson). Nele, o realizador alemão encontra uma alma gémea no fascínio pelas estradas abertas e pelos grandes espaços dos EUA, pelo seu simbolismo e ressonâncias míticas e cinematográficas, pelo “road movie” e pelas personagens devastadas e alienadas da sua circunstância e dos semelhantes, voluntariamente ou devido a tragédias pessoais ou familiares. A sombra de “A Desaparecida”, de John Ford, paira sobre “Paris, Texas”, onde um homem chamado Travis (Harry Dean Stanton), sai do deserto como se fosse o equivalente moderno de uma figura bíblica, de um eremita medieval ou da personagem de um velho “western”. Travis já teve um lar e uma família, perdeu tudo e agora, depois de se ter afastado do mundo, regressa para se reencontrar consigo mesmo, com a sociedade e procurar o filho e a mulher (Nastassja Kinski) . Em 1987, Wim Wenders rodaria o seu último grande filme, “As Asas do Desejo”, para nunca mais conseguir atingir as alturas deste, e de “Paris, Texas”.

“Lego Batman: O Filme”

Nada melhor para desanuviar daqueles filmes megalómanos, solenemente balofos e auto-importantes da série “O Cavaleiro das Trevas”, de Christopher Nolan, ou de “Batman V Super-Homem: O Despertar da Justiça”, do que esta jubilatória e garrida paródia animada digital em modo Lego, bem melhor que a sua antecessora, “O Filme Lego”. O realizador Chris McKay, vindo da anárquica série de televisão “Robot Chicken”, passa ao crivo da sátira, com uns pozinhos de psicanálise, a figura de Batman, caracterizado como um gabarola egocêntrico e associal, com pânico de “relações”, e leva na sua esteira o acervo televisivo, cinematográfico e iconográfico do Homem-Morcego e todo o universo de super-heróis e vilões da DC (e mais alguns de outras “franchises”, de “Harry Potter” aos “Gremlins”), para deleite quer dos seus aficionados, quer dos seus detractores – uma proeza muito difícil de conseguir. Tendo sempre em atenção que estamos a falar de duas das marcas mais poderosas do mundo, que se podem dar ao luxo de permitir o gozo a elas próprias, e ainda por cima lucrar com isso.

https://youtu.be/g3FOQjCgl9w

“Mulheres do Século XX”

Mike Mills, autor de “Chupa no Dedo” (2010), e de “Assim é o Amor” (2014), sobre um trintão a quem o pai, viúvo e septuagenário, revela que tem um cancro e é homossexual (a personagem baseia-se no próprio pai do realizador), inspirou-se na mãe para criar Dorothea (Annette Bening), a cinquentona com angústias da meia-idade protagonista deste filme passado na Califórnia no fim dos anos 70, com os EUA a afastarem-se dos anos da contracultura, da guerra do Vietname e da utopia “hippie”. Dorothea está a criar sozinha o filho adolescente (Lucas Zade Zumann) e tem como hóspedes uma fotógrafa “punk” (Greta Gerwig) e um faz-tudo engatatão (Billy Crudup), e como visita regular uma colega do filho, sexualmente promíscua (Elle Fanning). Mills retoma temas que lhe são queridos, como a família, a identidade feminina e masculina, a sexualidade e as interrogações e confusões da adolescência, mas “Mulheres do Século XX” é um filme aéreo, divagante e disperso, um punhado de personagens. situações e estados de alma em falta de cola narrativa. Para além de ser insuportavelmente afectado na sua panóplia de tiques e efeitos visuais: inserção de intertítulos e fotografias, imagens aceleradas, cores psicadélicas. E há um limite para aturar a conversa fiada feministóide sobre vaginas e menstruação.

“Toni Erdmann”

Esta realização de Maren Ade é uma rara comédia do embaraço feita fora do universo do cinema anglo-saxónico, e tinha tudo para passar totalmente despercebida fora do seu mercado natural. É um filme alemão, dura quase três horas, tem actores pouco ou nada conhecidos fora do espaço germânico e não cultiva o riso alvar, fácil, imediato. Apesar disso, transformou-se no filme mais falado do Festival de Cannes e numa das coqueluches europeias de 2016, ganhou uma pilha de prémios em todas as latitudes, está candidato ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro e vai ter um “remake” americano, com Jack Nicholson e Kristen Wiig. É a história de Winfried Conradi (Peter Simonischek), um professor de música viúvo, reformado e muito amigo de pregar partidas, que tem uma filha, Ines (Sandra Hüller), uma super-executiva solteira e viciada no trabalho, que se encontra em Bucareste. Winfried acha que a filha, da qual se afastou, leva uma vida triste, sem humor nem amor, e dominada pelo trabalho, e por isso ruma a Bucareste, activa o seu arsenal de acessórios cómicos, assume a identidade do Toni Erdmann do título e tenta recuperar Ines usando a arma do riso. “Toni Erdmann” foi escolhido como filme da semana pelo Observador, e pode ler a crítica aqui.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR