Bloco de Esquerda

Autárquicas: Distrital de Lisboa do BE dá luz verde a candidatura de Ricardo Robles à Câmara

A distrital de Lisboa do Bloco de Esquerda ratificou esta sexta-feira a decisão da concelhia de nomear Ricardo Robles para candidato à presidência da Câmara da capital.

A distrital de Lisboa do Bloco de Esquerda (BE) ratificou esta sexta-feira a decisão da concelhia de nomear Ricardo Robles, atual líder do partido na Assembleia Municipal, para candidato à presidência da Câmara da capital.

De acordo com informação transmitida à agência Lusa por fonte partidária, a resolução, que implica a conclusão do processo de decisão interna do nome do candidato, foi tomada na reunião da comissão coordenadora distrital desta noite, que decorreu em Lisboa.

Na passada quarta-feira, o plenário concelhio do BE reuniu-se para escolher o candidato, ocasião na qual o nome de Ricardo Robles foi o único apresentado e aceite por 84% dos participantes.

Por seu lado, 7% dos presentes abstiveram-se, 6% votaram contra e 3% votaram em branco.

No sábado, realiza-se a Conferência Nacional Autárquica do partido, em Lisboa, sob o tema “Cidadania Viva”, e só nessa ocasião será apresentado publicamente o candidato do BE à presidência da Câmara.

Aí, o candidato fará a sua primeira intervenção pública.

Ricardo Amaral Robles nasceu a 20 de maio de 1977 (39 anos) em Almada, mas está recenseado na freguesia lisboeta de Santo António.

É engenheiro civil, especializado nas áreas da reabilitação urbana e da eficiência energética.

Em 1997, participou na candidatura autárquica “Esquerdas Unidas por Lisboa” (coligação PSR/Política XXI), encabeçada por Francisco Louçã.

Mais tarde, em 2005, tornou-se coordenador da concelhia de Lisboa do BE.

Apesar de ter participado em todas as campanhas autárquicas em Lisboa desde a fundação do BE (com nomes como Miguel Portas, José Sá Fernandes, Luís Fazenda e João Semedo), assumiu pela primeira vez o cargo de deputado municipal em 2009, em regime de rotatividade.

Foi eleito diretamente para a Assembleia Municipal de Lisboa pela primeira vez em 2013, ocupando o terceiro lugar na lista do partido.

Ricardo Robles assumiu a liderança da bancada do BE na Assembleia Municipal de Lisboa com a saída de Mariana Mortágua, que também chegou a ser apontada como possível candidata à presidência do município.

Nas eleições autárquicas de 2013, o topo da lista do BE à Assembleia Municipal de Lisboa era, contudo, ocupado por Ana Drago, que abandonou o partido em julho de 2014 por divergências políticas.

Durante a vida académica, Ricardo Robles foi ativista estudantil contra a praxe e as propinas e chegou a ser dirigente da Associação de Estudantes do Instituto Superior Técnico (nos anos de 1999 e 2000).

Como adversários na corrida à presidência da autarquia, estão já confirmados João Ferreira (CDU) e Assunção Cristas (CDS-PP).

Pelo PS, o candidato deverá ser Fernando Medina, atual presidente do município, que assumiu o cargo em abril de 2015 com a saída de António Costa para se dedicar à candidatura a primeiro-ministro.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

São brancos, que se entendam /premium

Paulo Tunhas

Ninguém percebe qual é a partitura do PSD e qual a sinfonia que Rio ou Montenegro vão tocar, algo imprescindível para uma pessoa decidir se vai ou não ao concerto. Pode ser tudo e mais alguma coisa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)