Rádio Observador

Orçamento do Estado

Primeiro-ministro confia que investimento vai continuar a crescer em 2017

198

O primeiro-ministro disse que os dados de 2017 indiciam que o investimento vai continuar a crescer, fruto da confiança na economia portuguesa, cuja trajetória "interessa prosseguir".

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro disse hoje que os dados de 2017 indiciam que o investimento vai continuar a crescer, fruto da confiança na economia portuguesa, cuja trajetória “interessa prosseguir”.

António Costa falava à margem da inauguração da nova fábrica do grupo indiano Sakthi, cuja primeira-pedra havia lançado, e que foi construída no “tempo recorde” de 11 meses.

“Este investimento é um excelente exemplo, que sinaliza um momento de viragem na economia do país. Durante 2016 houve um aumento de mais de 6% do investimento empresarial e os dados que conhecemos de 2017, quer pela importação de máquinas e equipamentos, quer pela venda de cimento, indiciam que em 2017 está a prosseguir o crescimento do investimento”, disse.

Segundo o primeiro-ministro, isso deve-se “sobretudo ao reforço da confiança na nossa economia, que atingiu no mês passado níveis recorde desde o ano 2000, o que traduz-se em mais investimento, mais procura interna, mais exportação e, sobretudo, em 100 mil postos de trabalho, criados ao longo de 2016”.

António Costa sublinhou “com orgulho” o feito da redução do défice, pela sua importância para a confiança na economia portuguesa, mas também por criar condições para poder fazer os investimentos necessários.

“Conseguimos num ano um acordo com universidades e politécnicos, garantindo que não teriam redução do financiamento, porque o investimos no conhecimento é essencial para poder ter empresas como esta a instalarem-se em Portugal”, disse.

Lembrou ainda que em 2016 foram repostos rendimentos, aumentou o investimento e foram criadas melhores condições de vida.

“É essa a trajetória que temos de prosseguir”, defendeu.

A nova unidade fabril da Sakthi, um investimento na ordem dos 36,7 milhões de euros, destina-se ao fabrico de componentes em ferro para automóveis, correspondendo na primeira fase à criação de 135 postos de trabalho, 40 dos quais qualificados.

A operar em Portugal desde 1998, na Maia, o grupo Sakthi celebrou um contrato de concessão de incentivos com a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (Aicep), para concretizar o investimento na nova fábrica de Águeda, cuja produção é destinada, na sua quase totalidade, ao mercado externo, sendo cerca de 90 % exportada para a Alemanha, a Espanha, a Eslováquia, o Reino Unido e a República Checa.

Segundo as estimativas do Governo, o projeto deve alcançar em 2026 um valor acrescentado bruto de cerca de 115,8 milhões de euros, acumulado desde 2015, e ter impactos significativos, “não só para o desenvolvimento e dinamização de um ‘cluster’ automóvel na região, mas também através do efeito de arrastamento sobre outras empresas portuguesas ali localizadas, decorrente da aquisição de matérias-primas, filiais e serviços, com consequência na criação de postos de trabalho indiretos e na inovação dos seus produtos e processos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)