O embaixador de Pyongyang na Malásia afirmou, esta segunda-feira, que a Coreia do Norte não pode confiar na investigação da polícia malaia à morte do meio-irmão do seu líder, após ser convocado pelo governo de Kuala Lumpur. “Passaram sete dias desde o incidente, mas não há provas claras sobre a causa da morte e de momento não podemos confiar na investigação da polícia malaia”, apesar de não ter sido ainda concluída, disse Kang Chol aos jornalistas.

O embaixador acusou a investigação de ser politicamente motivada e pediu uma investigação conjunta à morte de Kim Jong-nam. “A investigação da polícia malaia não é para clarificação da causa da morte e procura do suspeito, mas tem um objetivo político”, disse, acusando as autoridades de colocarem a Coreia do Norte sob suspeita e pedindo uma investigação conjunta entre a Coreia do Norte, Malásia e comunidade internacional.

Kim Jong Nam, meio-irmão mais velho do líder norte-coreano, morreu na semana passada após ter sido aparentemente envenenado no aeroporto de Kuala Lumpur.