A Malásia anunciou, esta segunda-feira, que chamou o seu embaixador em Pyongyang, como consequência dos conflitos relacionados com a investigação ao assassínio do meio-irmão do líder norte-coreano Kim Jong-un em Kuala Lumpur. “O embaixador da Malásia em Pyongyang foi chamado para Kuala Lumpur para consultas”, indica um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros, que também anunciou que a Malásia convocou o embaixador norte-coreano em Kuala Lumpur.

Kim Jong-nam, morreu na passada segunda-feira após duas mulheres o terem atingido na cara com um líquido não identificado no aeroporto internacional de Kuala Lumpur, quando se preparava para viajar para Macau. Quatro pessoas já foram detidas no âmbito do caso.

Depois da primeira autópsia ao corpo ter sido considerada inconclusiva, a Malásia deu início a um segundo procedimento, o que desagradou à Coreia do Norte, que prometeu rejeitar todos os resultados e exigiu que o corpo lhe seja imediatamente entregue. Em declarações aos jornalistas à saída da morgue na sexta-feira, o embaixador norte-coreano disse que os dirigentes malaios podem estar a “tentar esconder algo” e “em conluio com forças hostis”.