PCP

PCP insiste: Novo Banco deve manter-se público

229

No dia em que o Banco de Portugal anunciou que o fundo norte-americano Lone Star foi selecionado para negociar a compra do Novo Banco, os comunistas voltam a defender a manutenção do banco público.

"A venda do Novo Banco constituirá, a concretizar-se, uma decisão contrária ao interesse nacional"

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

O PCP voltou a defender esta segunda-feira a manutenção do Novo Banco na esfera pública. A reação dos comunistas surge no dia em que o Banco de Portugal anunciou que estava a negociar a venda do antigo Banco Espírito Santo (BES) em exclusivo com o fundo de gestão norte-americano Lone Star.

“Como o PCP tem defendido desde o início do processo de resolução do BES, em Agosto de 2014, o Novo Banco pela sua dimensão, pelo apoio que pode dar às micro, pequenas e médias empresas e às famílias, devia manter-se sob controlo público do Estado e colocado ao serviço do desenvolvimento económico do País e das famílias, salvaguardado que seja o interesse nacional”, defendem os comunistas, numa nota enviada às redações.

A 6 de janeiro, os comunistas apresentaram um projeto de resolução para pressionar o Governo socialista a travar a venda do Novo Banco, mantendo assim o banco na esfera pública. O grupo parlamentar do Bloco de Esquerda apresentou uma iniciativa semelhante, mas ambas acabariam por ser chumbadas no Parlamento, com votos contra de PS, PSD e CDS.

No dia em que o regulador “decidiu selecionar o potencial investidor Lone Star para uma fase definitiva de negociações, em condições de exclusividade, com vista à finalização dos termos em que poderá realizar-se a venda da participação do Fundo de Resolução no Novo Banco”, os comunistas voltam, assim, a vincar a posição do partido: a venda do Novo Banco, a concretizar-se, será uma “decisão contrária ao interesse nacional”.

“A venda do Novo Banco, um dos maiores bancos nacionais em atividade, constituirá, a concretizar-se, uma decisão contrária ao interesse nacional. A eventual venda do Banco a um grupo privado – associado a Fundos de Investimento e a atividade especulativa – depois de o Estado ter sido comprometido com avultados recursos públicos no processo de Resolução (4,9 mil milhões de euros), incluindo os seus ativos mais problemáticos, como aconteceu anteriormente com o BPN e o Banif, constitui uma decisão que só pode merecer a rejeição pelo PCP”, sustenta o PCP.

No comunicado, os comunistas elencam ainda as potências de uma eventual venda do Novo Banco. “A concretizar-se, tal decisão deixaria o caminho livre para uma reestruturação do Banco, com prejuízo dos seus trabalhadores e da atividade do Banco, e à preparação da sua venda pelos novos donos em condições favoráveis aos seus interesses mas lesivas do interesse público na linha do que é a natureza destes fundos de investimento”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Cá a direita vale menos do que na Venezuela? /premium

Miguel Pinheiro
271

Se o PSD é um partido de esquerda, então a direita em Portugal está reduzida ao CDS. Ou seja, vale 7%. Ou menos. Como nem na Venezuela a direita é tão tristemente exígua, alguém anda enganado.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)