Drones

França também já treina águias para destronar os drones inimigos

As autoridades francesas treinaram quatro águias douradas bebés para intersectarem e destruírem drones inimigos.

Depois da polícia holandesa, chegou a vez de as forças militares francesas apostarem no treino de águias para intersetarem e destruírem drones inimigos.

Batizadas com os nomes de D’Artagnan, Athos, Porthos e Aramis — em homenagem aos “Três Mosqueteiros” — as quatros águias douradas nasceram em 2016 em cima de drones. Os ovos foram colocados sobre os dispositivos e, quando as aves viram a luz, foram mantidas junto aos aparelhos por algum tempo, numa iniciativa que teve como objetivo fazer com que se familiarizassem com as máquinas.

No entanto, apenas ficaram prontas para a sua “missão” este mês, sendo capazes de intersetar, perseguir e destruir drones, com o bico e as garras. Em troca, recebem carne. D’Artagnan, por exemplo, foi lançado de uma torre de controlo militar e é capaz de cobrir 200 metros de distância em 20 segundos. “As águas estão a fazer um bom progresso”, assegura o comandante da força aérea francesa citado pelo Washington Post.

As autoridades francesas estão satisfeitas com as águias: preparam já uma segunda geração para “atacar” drones e estão a desenhar luvas de couro e de kevlar (material anti-explosão) para proteger as garras.

França viu crescer a preocupação com os drones desde que, no início de 2015, aparelhos “inimigos” sobrevoaram o palácio presidencial e um local militar de acesso restrito, mas, sobretudo, após os ataques em Paris, em novembro de 2015. Além da Holanda, que também utiliza águias para caçar drones, Japão usa drones para destruir outros drones.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O caminho para lado nenhum /premium

Rui Ramos

O sucesso de António Costa reflecte a capacidade de que a oligarquia política continua a dispor, numa sociedade envelhecida e dependente, de fazer pagar por todos o que só beneficia alguns. 

Assalto em Tancos

Tancos: é ainda pior do que parece

Bruno Cardoso Reis

Se é certo que em Portugal as Forças Armadas sempre serviram para bem mais do que fazer a guerra, hoje em dia essas outras tarefas são cada vez mais numerosas e cada vez mais vitais. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)