Rádio Observador

Governo

Governo diz que fim de contratos a termo justificou mais de 60% dos subsídios de desemprego em 2015

O Governo afirmou que mais de 60% dos subsídios de desemprego atribuídos pela primeira vez em 2015 correspondem ao fim de contratos a termo.

O Governo afirmou, esta terça-feira, que mais de 60% dos subsídios de desemprego atribuídos pela primeira vez em 2015 correspondem ao fim de contratos a termo, considerando que esta é “a expressão mais dura” da segmentação do mercado laboral.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, que foi esta terça-feira ouvido na comissão parlamentar da área sobre o relatório Reformas no Mercado Laboral em Portugal 2011-2015, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), subscreve alguns aspetos apontados pela OCDE, mas considera que, quanto à questão da rigidez do mercado de trabalho, “a visão” da organização “é limitada” porque “chega a conclusões que são muitas vezes distintas da realidade”.

Vieira da Silva referiu que a maior parte dos empresários reconhece que os problemas de rigidez do mercado laboral “estão colocados lá para o fim da lista dos problemas de competitividade das empresas” e citou também os números relativos às causas de atribuição do subsídio de desemprego pagos pela primeira vez em 2015, sublinhando que em 2016 “não é muito diferente”.

Olhemos para as causas de atribuição de subsídio de desemprego em 2015: 62,9% dos subsídios de desemprego que foram pagos de novo correspondem ao fim de contratos a termo, isto é a expressão mais dura da manutenção de uma segmentação que é levada a um limite que tem poucas comparações no espaço europeu”, afirmou o governante.

Vieira da Silva acrescentou que 2,7% dos subsídios de desemprego atribuídos em 2015 deveram-se a despedimentos coletivos, o que considerou ser “um peso muito pequeno”.

Por oposição, o ministro disse que as iniciativas de despedimento individual “têm um peso significativo”, já que “8,7% [dos subsídios de desemprego atribuídos] são por extinção do posto de trabalho, que é aplicado individualmente”, e 13% foram atribuídos por cessação por acordo, uma modalidade “que dá direito ao subsídio de desemprego e que também é de natureza individual”.

Para Vieira da Silva, “a ideia de que em Portugal é impossível despedir do ponto de vista individual não bate certo” quando analisadas as razões do subsídio de desemprego e “aquela visão de que o mercado de trabalho é absolutamente rígido e necessita de outras mudanças significativas é desmentida pela realidade dos números”.

Recordando que a OCDE considera que há níveis preocupantes de segmentação laboral em Portugal — o que é disse ser “outra forma de dizer ‘níveis de precariedade no mercado de trabalho'” — e que houve alguma evolução positiva nesta matéria, o ministro discordou desta conclusão.

Aí não posso concordar. O INE [Instituto Nacional de Estatística] disse que de 2014 para 2015 os contratos não permanentes cresceram o dobro dos contratos permanentes e ainda em 2016 isso continua a acontecer. Se olharmos para os quadros que isolam o setor privado, então, o crescimento do peso, nos trabalhadores por conta de outrem, dos contratos a termo certo é muito maior”, afirmou.

Segundo Vieira da Silva, “não há nenhuma fonte estatística credível que aponte para uma melhoria da relação entre contratos permanentes e não permanentes”.

Em 19 de janeiro, a OCDE publicou um relatório em que considerou que o mercado laboral português conseguiu melhorias acima do esperado entre 2011 e 2015, mas acredita que é possível ir mais longe, nomeadamente na flexibilização da legislação laboral.

Entre 20 recomendações que a OCDE faz no relatório Reformas no Mercado Laboral em Portugal 2011-2015, a primeira é a clarificação das condições em que um patrão pode despedir trabalhadores em contratos permanentes por razões económicas, à semelhança do que foi feito em França e Espanha.

A organização sugere que se simplifiquem os procedimentos requeridos para despedir, que se reduzam as compensações por despedimento ilícito e que se diminua a possibilidade de reintrodução de um trabalhador despedido.

Relativamente a benefícios para os desempregados, a organização refere que Portugal tinha antes das reformas um sistema relativamente generoso, que contribuiu para um aumento do desemprego de longa duração, e recomenda que Portugal aumente a rede de proteção social com maior número de beneficiários do subsídio de desemprego e, ao mesmo tempo, que se diminua a duração temporal dos apoios para que haja incentivo para procurar trabalho e se diminua o desemprego de longa duração.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)