O Presidente da Assembleia da República assumiu esta tarde que “não parece haver qualquer problema” com a comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos, a segunda pedida pelo PSD e CDS ao abrigo do direito potestativo. O facto de ser obrigatória não faz com que a proposta deixe de precisar ser admitida pelo Presidente da Assembleia da República — na primeira comissão, Ferro Rodrigues levantou vários problemas sobre o âmbito do inquérito que tinha sido pedido, com a direita a alterar mesmo o objeto da mesma.

À saída de um almoço com o Presidente da República em Belém, Ferro Rodrigues disse que ainda não tinha recebido dos serviços a informação sobre o inquérito que foi apresentado esta manhã por PSD e CDS, mas admite a sua admissibilidade: “Pelo que li julgo que cumpre em absoluto os termos regimentais e constitucionais e é um direito potestativo dos deputados”. Ainda atirou, em jeito de provocação, à direita: “A única camisola que eu não dispo é a da Constituição”.

A frase vem no contexto da crispação entre as bancadas da direita e o presidente da Assembleia da República, que ficou ainda mais clara no debate quinzenal da última quarta-feira, sobretudo depois de a líder do CDS, Assunção Cristas, ter anunciado no plenário que tinha pedido uma reunião com o Presidente da República para se queixar do funcionamento do Parlamento, referindo-se em concreto à comissão de inquérito à recapitalização da Caixa (que está suspensa). Nessa altura, Ferro Rodrigues disse que tinha a porta do gabinete aberta e o assunto levantou uma troca de palavras com a bancada do CDS.

Facto é que, depois desse episódio, Marcelo Rebelo de Sousa chamou Ferro para um almoço em Belém, imediatamente antes de receber Assunção Cristas. À saída do almoço, o presidente da Assembleia da República foi confrontado com as queixas da direita — o PSD entretanto associou-se às críticas falando mesmo em falhas no “regular funcionamento da Assembleia da República — e respondeu que “todas as instituições funcionam com absoluta regularidade. Presidente da República, presidente da Assembleia da República e Governo. O país está normal“.

Ferro Rodrigues garantiu ainda que o almoço serviu para “aproveitar para pôr a agenda em ordem”, referindo que nos próximos meses “há várias iniciativas em que vai ser necessário trabalho conjunto” entre Presidência e Assembleia da República, como visitas ou cerimónias. .