Rádio Observador

Brexit

Governo de Theresa May receia que referendo escocês seja anunciado em março

No próximo mês a primeira-ministra deverá iniciar formalmente o processo de saída da UE. E o governo escocês deverá reagir imediatamente com pedido de novo referendo. Esta é a expectativa do governo.

Theresa May aceita um referendo escocês, mas só depois de consumada a saída da União Europeia.

YOAN VALAT/EPA

O governo de Theresa May não quer que a Escócia exija novo referendo à pertença ao Reino Unido mas é precisamente isso, noticia o The Times, que Theresa May está à espera que aconteça assim que Londres iniciar o processo formal de saída da União Europeia, já no próximo mês de março. Segundo o jornal britânico, que cita fontes do governo de May, existe uma “grande preocupação” de os escoceses sejam novamente chamados às urnas — o receio de May é que, se houver referendo, o desmembramento do Reino Unido possa estar dependente de um “atirar de moeda ao ar”. May aceita um referendo, mas só depois de consumada a saída da UE.

A confirmar-se, será o segundo referendo escocês ao Reino Unido em menos de três anos. Pelo meio, como se sabe, houve o referendo britânico à União Europeia, onde venceu o Leave (sair), apesar de na Escócia a votação ter sido contrária. Em janeiro, o Supremo Tribunal britânico deliberou que, ainda que May tenha tido de se submeter ao parlamento britânico para avançar com o Brexit, os parlamentos da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte não teriam de ser consultados.

Entretanto, um porta-voz de Theresa May disse que a primeira-ministra não concordava que a Escócia exigisse um novo referendo. “Já houve um. Foi claro, decisivo, legal e ambos os lados acordaram aceitar os resultados”, disse a porta-voz a 8 de fevereiro, referindo-se à votação de 2014 em que 55% votaram a favor da manutenção da Escócia no Reino Unido.

Mas segundo as fontes governamentais citadas pelo The Times, esta segunda-feira, o gabinete de May já está a preparar-se para a eventualidade de Nicola Sturgeon, a primeira-ministra escocesa, pedir um novo referendo, que poderia realizar-se no verão de 2018 — a meio das negociações britânicas com os parceiros europeus.

Segundo o jornal, May estará preparada para aceitar o referendo, mas apenas se este se realizar após a saída formal da União Europeia, ou seja, depois de 2019.

A notícia do The Times está a pressionar a cotação da libra esterlina nas bolsas, esta manhã, descendo 0,6% face ao dólar.

Segundo uma sondagem do instituto BMG realizada junto de 1.067 eleitores escoceses, o apoio à independência da Escócia, excluindo os indecisos, aumentou três pontos percentuais desde dezembro, com 49% de apoio, embora 51% continuem a dizer-se contrários.

Para 56% dos inquiridos, contudo, um referendo só deve realizar-se após a conclusão das negociações do Brexit, o que não deve ocorrer antes de meados de 2019.

Desde o referendo de 23 de junho em que foi aprovada a saída do Reino Unido da União Europeia que a primeira-ministra escocesa refere a eventualidade de um segundo referendo sobre a independência.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Novo Acordo Ortográfico

Uma comunidade às avessas

José Augusto Filho

Da forma em que foi conduzido, o Acordo serve mais para enfraquecer a língua de Camões do que para disseminá-la. Quanto aos ganhos políticos e económicos esperados, foram até agora praticamente nulos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)