Angola

Propinas nas universidades privadas angolanas custam mais de 1.400 euros em 2017

Frequentar o ensino superior em Angola vai custar este ano, pelo menos, 260.000 kwanzas (1.400 euros) a cada estudante, só em propinas, apesar das dificuldades financeiras generalizadas no país.

Por mês cada estudante paga até 31.000 kwanzas (176 euros) de propinas

Frequentar o ensino superior em Angola vai custar este ano, pelo menos, 260 mil kwanzas (1.400 euros) a cada estudante, só em propinas, apesar das dificuldades financeiras generalizadas no país. Numa ronda feita pela Lusa pelas universidades da capital angolana, a poucos dias da abertura oficial do ano letivo de 2017 no ensino superior em Angola (março a dezembro), foi possível encontrar preços de propinas mensais (10 meses) que variam entre os 26 mil e os 36 mil kwanzas (148 a 205 euros).

“Não é um preço acessível. Para nós que não trabalhamos e dependemos de alguém que nos pague, o preço está um pouco puxado”, contou à Lusa Gilson Domingos, que vai frequentar o a partir de março o 1.º ano do Curso de Ciências da Comunicação na Universidade Independente de Angola (UNIA).

A UNIA ministra 12 cursos de licenciaturas nas áreas das engenharias e ciências sociais, cobrando mensalmente uma propina, respetivamente, de 33 mil kwanzas (148 euros) e de 27.500 kwanzas (156 euros). “A qualidade de ensino aqui é boa e a mensalidade é acessível ao meu bolso. Como não trabalho, serão os pais a custear os meus estudos”, contou, por seu turno, Maura António, candidata ao curso de direito.

Angola vive uma profunda crise financeira e económica decorrente da quebra nas receitas da exportação de petróleo e só no último ano a inflação disparou mais de 40%, o que também tem levado a sucessivos aumentos, anualmente, no valor das propinas cobradas. Contudo, no setor público, os salários não acompanharam o agravamento do custo de vida, sendo mais grave o caso do salário mínimo. Dependendo do setor de atividade, o salário mínimo nacional em Angola está fixado desde 2014 entre os 15 mil e os 22 mil kwanzas (85 a 125 euros).

A Universidade Agostinho Neto, a maior pública do país, que funciona em Luanda, disponibilizou apenas 5.385 vagas para 50 mil candidatos, daí que grande parte dos estudantes que não conseguiram ingressar naquela instituição procurem agora condições para suportar as despesas no privado. Frequentavam o ensino superior em Angola no ano letivo de 2016 mais de 200.000 estudantes.

Noutro ponto da capital, o Instituto Superior Politécnico Metropolitano de Angola (IMETRO) funciona com licenciaturas nas áreas de ciências tecnológicas e engenharia, com sete cursos, nas ciências humanas, educação e artes, com cinco cursos, e nas ciências económicas e gestão, igualmente com cinco cursos este ano. Por mês cada estudante paga até 31 mil kwanzas (176 euros) de propinas.

Ana Castelo Branco, inscrita no curso de administração de empresas, reconhece o esforço financeiro que os pais vão ter de fazer, mas garante confiança: “Eles estão preparados para suportar as despesas anuais do curso, é uma instituição que está legalizada e tenho informações que os professores aqui são excelentes”.

O IMETRO dispõe de programas de estágio, biblioteca com mais de 14 mil exemplares, quadra desportiva, parque de estacionamento, laboratórios, capelania e psicologia, condições que satisfazem a candidata ao curso de gestão pública, Keura Lucrécia. “Tenho condições para pagar as propinas anuais e vale a pena pagar porque a instituição tem condições que satisfazem”, garantiu.

Já na Universidade Gregório Semedo (UGS) as propinas mensais estão fixadas em 32.200 kwanzas (182 euros) para todas as licenciaturas, desde direito, a comunicação empresarial e línguas, economia, arquitetura ou engenharia civil. “Estou a avaliar os preços, que não são de todo baratos, mas terei de apertar o cinto para custear a universidade” contou Paulo Kiambata, que busca por uma vaga na UGS, após não conseguir ingresso à universidade pública, tal como milhares de colegas.

Estes valores são em regras seguidos noutras instituições de ensino superior privado em Luanda, como as universidades Católica de Angola ou a Metodista de Angola, com propinas mensais que chegam aos 36 mil kwanzas (205 euros) em 2017.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)