Os funcionários dos Correios da Guiné-Bissau reclamaram esta quinta-feira o pagamento de 88 meses de salários em atraso, intercalados, e prometeram manifestar-se nas ruas da capital, anunciou o presidente do comité sindical, Tefna Tamba.

“Estamos numa situação de penúria: desde 2005 até esta data, nenhum Governo quis saber de nós”, afirmou Tefna Tamba, que acusa os sucessivos executivos de “pretenderem acabar simplesmente com os correios”.

Uns governos pagam alguma coisa, na maioria das vezes não recebem e a situação conduz a uma “morte lenta”, enfatizou o sindicalista.

Tefna Tamba quer convocar todos os trabalhadores e familiares para manifestações junto à Presidência e ao Palácio do Governo, quinzenalmente.

O sindicalista disse ainda que o Governo podia alugar as sedes dos Correios em Bissau e no interior do país a agências bancárias e desta forma rentabilizar a empresa.

Tamba acusa o Governo de não ter regulamentado o funcionamento dos “operadores informais”, aos quais, disse, é permitido o exercício de tarefas que eram destinadas aos correios, numa “concorrência desleal”.

O sindicalista afirmou ainda ter notado que o atual Governo não tem sequer nos seus planos qualquer ideia sobre como resolver a situação dos correios.