Dormir é imperativo para a sobrevivência de todos os animais, racionais e irracionais. Se, por um lado, peixes e aves dormem só com metade do seu cérebro de cada vez, o elefante africano precisa apenas de duas horas de sono, sendo possivelmente o mamífero que menos tempo precisa de descanso, conta o jornal espanhol ABC.

Uma equipa de investigadores descobriu que os elefantes que não estão em cativeiro dormem, em média, apenas um par de horas por dia. Mais: podem passar 48 horas sem dormir nem sequer ficarem sonolentos. Como se não bastasse, a maioria das sestas que fazem são feitas em pé.

O estudo foi realizado por uma equipa da Universidade de Witwatersrand, África, que colocou nos elefantes um implante que monitoriza o sono e ainda um colar giroscópio que identifica a posição de dormir.

Através da medição dos dispositivos, os investigadores conseguiram descobrir que os elefantes dormem cerca de duas horas por dia e que esse é o tempo mais curto de sono em todos os mamíferos até agora monitorizados. Durante o estudo, várias foram as vezes que os animais ficaram 46 horas sem dormir, enquanto caminhavam grandes distâncias – 30 quilómetros. Uma das hipóteses colocadas para o pouco sono é a sobrevivência, devido à ameaça de leões ou caçadores furtivos.

Os elefantes dormem, na maioria das vezes, de pé e deitam-se apenas a cada três ou quatro dias, por volta de uma hora. Por este motivo, os investigadores do estudo acreditavam que não era o suficiente para que conseguissem entrar na fase de sonhar. Mas, na verdade, conseguem fazê-lo, ainda que não seja todos os dias.

O sonho sempre foi associado ao exercício de conseguir consolidar a memória, mas estes novos dados vêm desafiar esta realidade, uma vez que estes animais não sonham todos os dias mas são conhecidos, precisamente, pela sua grande memória a longo prazo.

Os investigadores afirmam que perceber como é que os animais dormem é importante não apenas para perceber o seu próprio metabolismo como também para entender a próprio sono dos seres humanos.