O vice-presidente norte-americano, Mike Pence, usou uma conta privada de email para tratar de assuntos oficiais quando era governador do estado do Indiana, conta essa que foi pirateada no verão passado. A informação foi confirmada pelo seu gabinete, conta o Washington Post, na sequência de notícias publicadas pelo IndyStar.

O ataque ao email privado do atual vice-presidente de Donald Trump usou uma estratégia comum de ‘phishing’: os ‘hackers’ acederam à agenda e ficheiros da conta e, usando a identidade de Mike Pence, reenviaram mensagens para todos os contactos revelando que estava retido nas Filipinas com a mulher e que precisavam de ajuda financeira. Um esquema fraudulento que permite depois recolher dados pessoais e confidenciais dos utilizadores sem que estes dêem conta da fraude.

O IndyStar relata que Mike Pence usava com regularidade a sua conta privada na AOL para tratar de questões oficiais – muitas delas de natureza sensível, que iam desde a segurança dos portões da sua residência oficial até às soluções de combate ao terrorismo – com outros altos responsáveis do Estado quando ainda era governador do Indiana. Entre as várias trocas de mensagens, pode ler-se uma resposta do responsável pela segurança e do seu chefe de gabinete sobre um relatório do FBI relacionado com ameaças terroristas no próprio Estado, tema que que foi amplamente discutido nos media nessa altura.

Essa é uma das informações que se podem encontrar no conteúdo dos emails, cujo registo público foi requerido pelo IndyStar e concedido (ao abrigo de uma lei do Indiana que permite o acesso público a documentos do Estado), mas não na totalidade. O atual governador do Indiana, Eric Holcomb libertou 29 páginas de emails da conta AOL de Mike Pence, mantendo confidenciais algumas mensagens cujo conteúdo está classificado pelo próprio Estado como sendo demasiado sensível para ser tornado público.

Emails: quando o oficial choca com o privado

Mike Pence usava a conta de AOL desde meados da década de 1990 e continuou a usá-la durante o seu mandato como governador, algo que o seu atual chefe de gabinete na Casa Branca esclareceu ser uma prática habitual nas administrações anteriores. “Quando terminou as suas funções como governador, ele pediu para que todas as suas comunicações fossem revistas de forma a que todos os mails relacionados com assuntos do Estado fossem devidamente transferidos e arquivados, como prevê a lei”, esclarece Marc Lotter.

Quando a conta foi atacada no verão do ano passado, comprometendo os seus dados, Mike Pence decidiu fechá-la e abrir uma nova conta na mesma AOL. Embora o uso de contas pessoais pelo governador não seja proibido no Indiana, o seu uso não é permitido quando se tratam de responsáveis com cargos públicos ou de assuntos de Estado.

A revelação de que a conta foi pirateada está a fazer soar os alertas em Washington sobre a verdadeira proteção de dados sensíveis. E relança uma das discussões que marcou o duelo presidencial, em que a candidata Hillary Clinton foi criticada por ter usado uma conta de email privada para tratar de assuntos oficiais quando era secretária de Estado.

Conselheira de Donald Trump diz que ele não vai investigar emails de Hillary Clinton