Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Joaquim Jorge foi escolhido pela concelhia do PSD de Matosinhos como candidato à câmara local, mas a distrital prefere apostar em outros nomes. O coordenador autárquico do PSD/Matosinhos, Joaquim Pinto Lobão, conta ao Observador que o líder da concelhia, José António Barbosa, enviou um SMS a Passos Coelho a “explicar as razões da escolha de Joaquim Jorge.” No sábado — dia em que o líder do partido andará por perto (na Trofa) — a concelhia e a distrital vão reunir-se para discutir o nome do candidato.

O fundador do Clube dos Pensadores e ex-militante do PS (desfiliou-se em 2008) foi convidado por José António Barbosa a 24 de fevereiro. E aceitou. No entanto, quando a concelhia se preparava para aprovar o nome, conta Pinto Lobão — que é também vice-presidente do PSD/Matosinhos — “a distrital pediu que a votação não fosse feita, embora houvesse maioria para aprovar o nome.” A distrital tem tentado demover a concelhia de apresentar o nome, mas os dirigentes do PSD/Matosinhos não deixam cair o nome de Joaquim Jorge. Amanhã, sábado, há uma reunião entre as duas estruturas às 15h00, onde tudo poderá ficar esclarecido.

A distrital prefere outros nomes, como o de Alberto Santos, o antigo presidente da câmara municipal de Penafiel, ou até do antigo líder distrital, Virgílio Macedo. A concelhia, pela voz de Joaquim Pinto Lobão, explica que escolheu Joaquim Jorge porque além de ter o eleitorado do PSD e CDS (que vão em coligação), Joaquim Jorge seria um nome capaz de “captar eleitorado de centro e centro-esquerda e permitiria aproveitar o facto do PS estar dividido, porque tem uma candidata escolhida por Manuel Pizarro, que vai contra a escolha da concelhia que era Ernesto Páscoa, atual presidente de câmara e que se sujeita a ser nº2“. Além disso, acredita Pinto Lobão, Joaquim Jorge é um nome capaz de “disputar a câmara com o PS e até para vencê-la, embora essa seja uma decisão dos matosinhenses.” Tudo isto foi explicado a Passos Coelho, por SMS.

Ao Expresso, Joaquim Jorge assumiu ter sido convidado e colocou a responsabilidade do impasse em Marco António Costa, sugerindo que o atual vice-presidente do PSD prefere Virgílio Macedo. Denuncia que Marco António quer impor “o seu compagnon de route, como tenta aliás que todos os candidatos sejam próximos de si”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Pelos regulamentos, a escolha do candidato compete à concelhia, tendo depois de ser aprovada pela distrital. Numa fase posterior, o candidato é aprovado em comissão política nacional e, mais tarde, ratificado em Conselho Nacional.

Joaquim Jorge tem 59 anos e é um professor formado em biologia. Em março de 2006 fundou o Clube dos Pensadores, organizando ao longo de 11 anos debates com personalidades como Marcelo Rebelo de Sousa, Passos Coelho, Paulo Portas, Jerónimo de Sousa, Soares dos Santos, Belmiro de Azevedo, Pedro Santana Lopes, Alberto João Jardim, Sobrinho Simões, Pedro Abrunhosa ou Vítor Baía. Um dos encontros, com Miguel Relvas, ficou conhecido por a sessão ter sido interrompida por manifestantes contra o Governo PSD/CDS que cantaram o “Grândola Vila Morena.”