Rússia-Ucrânia

Ucrânia acusa Rússia de “apoiar terrorismo” no Tribunal Internacional de Justiça

A Ucrânia acusou a Rússia de "apoiar o terrorismo" perante o Tribunal Internacional de Justiça, a quem pediu medidas para que Moscovo deixe de financiar as milícias que atuam no leste do país.

O representante ucraniano acusou a Rússia de "punição coletiva pública" contra os tártaros e os ucranianos na Crimeia

A Ucrânia acusou esta segunda-feira a Rússia de “apoiar o terrorismo” perante o Tribunal Internacional de Justiça (TIJ), a quem pediu medidas para que Moscovo deixe de financiar as milícias que atuam no leste do país.

A Ucrânia veio a este tribunal para defender os direitos humanos do seu povo”, declarou perante os juízes a vice-ministra dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Olena Zerkal, adiantando que aqueles “direitos fundamentais foram violados por um dos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU”.

A governante ucraniana disse ainda que o seu país tem “tentado negociar com as autoridades russas”, mas as suas “objeções não foram tidas em conta”, pelo que se decidiu apresentar o caso ao TIJ, o principal órgão judicial das Nações Unidas. A Ucrânia considera que a Rússia violou dois acordos internacionais: a Convenção para a Supressão do Financiamento do Terrorismo e a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial.

Entre os alegados atos de terrorismo apoiados pela Rússia, a Ucrânia referiu o financiamento e fornecimento de armas a milícias nas regiões de Donetsk e Lugansk (leste) e o derrube do avião da Malaysia Airlines com 298 pessoas a bordo, em julho de 2014. Este último foi apontado pela acusação ucraniana como um exemplo de ato terrorista, porque as suas vítimas foram todas civis, o que, segundo o professor de Direito Internacional e representante da Ucrânia, Harold Hongju Kokh, configura “um ataque contra a humanidade”. O representante ucraniano acusou ainda a Rússia de “punição coletiva pública” contra os tártaros e os ucranianos na Crimeia, península ucraniana que Moscovo invadiu e anexou em 2014.

A Rússia vai apresentar o seu caso na terça-feira e um responsável da embaixada russa disse à agência France-Presse que uma “ampla delegação” de cerca de 35 pessoas, incluindo “membros de diferentes agências, especialistas e advogados”, estará presente nas audiências, que terminam na quinta-feira. O TIJ foi criado em 1945 para regular disputas entre países.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia-Ucrânia

Direito Internacional Russo /premium

Diana Soller

Tanto a Rússia como a Ucrânia usam como argumento principal a violação das normas do Direito Internacional pelo rival. Ambas têm razão. Só que Moscovo e Kiev estão a falar de coisas muito diferentes.

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)