A candidata da extrema-direita às presidenciais em França, Marine Le Pen, afirmou esta terça-feira que, caso ganhe as eleições, deixaria o poder se os franceses não apoiassem em referendo a saída daquele país da União Europeia.

Durante um encontro numa entidade patronal francesa, a líder da Frente Nacional afirmou que, após a sua eventual chegada ao Eliseu (sede da Presidência francesa), a sua primeira decisão política sobre a União Europeia será iniciar negociações para que França recupere a sua “liberdade económica”.

Se a negociação fracassar, direi aos franceses que será necessário sair da União Europeia e construir uma Europa de nações. (…) Se digo que temos de sair e eles decidirem ficar, o que faria? Ia-me embora”, afirmou.

Durante a apresentação do seu projeto eleitoral, em inícios de fevereiro, Marine Le Pen avançou que, caso ganhe, irá imediatamente a Bruxelas “para iniciar a negociação sobre o regresso de quatro soberanias: monetária, legislativa, orçamental e territorial”.

Também acrescentou na mesma altura que seis meses depois iria organizar um referendo sobre a permanência francesa no bloco comunitário.

A última sondagem divulgada, esta terça-feira, pela estação BFM TV indicou que Marine Le Pen está na liderança na primeira volta das presidenciais francesas com 26% das intenções de voto, seguida do candidato independente Emmanuel Macron com 25,5% das intenções de voto.

Nas últimas semanas, a candidata presidencial da Frente Nacional tem enfrentado acusações sobre “empregos fictícios” e suspeitas de uso indevido de fundos do Parlamento Europeu. A primeira volta das presidenciais de França realiza-se em 23 de abril e a segunda em 7 de maio.