O Mónaco tem, a partir desta terça-feira, representação diplomática permanente em Lisboa, um gesto que demonstra a “grande amizade” entre os dois países e permitirá desenvolver ações em comum, nomeadamente na defesa dos oceanos, disse o príncipe Alberto II.

O príncipe monegasco participou, esta terça-feira, na inauguração da chancelaria da embaixada do Principado do Mónaco, na Rua Domingos Sequeira, em Lisboa, onde deixou uma mensagem no livro de honra.

Alberto II do Mónaco destacou a “grande amizade” entre os dois países e destacou que a abertura da embaixada permitirá “uma concertação diplomática mais permanente”. O Mónaco tinha, nos últimos dez anos, um embaixador não-residente em Portugal.

O príncipe sublinhou que os dois países partilham a preocupação sobre a “proteção e melhor gestão dos oceanos e do mar“, um tema que, disse, “será cada vez mais atual”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português recordou que Portugal é um dos dois co-facilitadores da conferência das Nações Unidas sobre os oceanos, em julho, e vai realizar a segunda edição da Oceans Meeting em setembro.

A inauguração da embaixada monegasca em Lisboa mostra que Lisboa “é uma capital cuja importância estratégica não é ignorada por muitos países”, considerou Augusto Santos Silva.

Do ponto de vista bilateral, significa novas condições para o desenvolvimento de relações que, no que diz respeito a Portugal e ao Mónaco, são absolutamente estabilizadas, normais, excelentes do ponto de vista político”, referiu o chefe da diplomacia portuguesa.

Segundo o governante, milhares de portugueses trabalham no Mónaco: “Temos trazido valor à economia monegasca e também a outros aspetos da vida monegasca — o mais badalado recentemente é o futebol”.

Santos Silva adiantou que o Governo não pretende abrir uma embaixada no Mónaco, mas ressalvou que isso não significa “menosprezar ou valorizar este gesto muito amigo do Mónaco”.

Os portugueses que residem e trabalham no Mónaco contam com o apoio de uma consulesa honorária no principado e no consulado de Marselha, em França.

O novo embaixador do Mónaco em Lisboa, Henrique Polignac de Barros, recordou que as relações entre os dois países são “muito antigas, com mais de cem anos”.

O príncipe Alberto I do Mónaco era amigo pessoal do rei D. Carlos e fez campanhas oceanográficas nos Açores”, comentou.

O diplomata apontou a possibilidade de os dois países “estreitarem muito mais as relações”, nomeadamente na área do ambiente, “em que o Mónaco tem uma atitude já muito conhecida em todo o mundo, mas também com os oceanos”.