A polícia das Filipinas matou oito suspeitos em confrontos separados e deteve outros 21 no norte, um dia depois de ter sido autorizada a retomar a campanha antidrogas, ao mesmo tempo que lançava uma ação contra armas ilegais.

O superintendente Romeo M. Caramat Jr. disse que os suspeitos foram mortos ou detidos em 19 operações em Bulacan, província a norte de Manila, indicando que alguns dos suspeitos tornaram-se violentos e que a maioria dos suspeitos mortos tinha ligações à droga. O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, tinha suspendido a campanha antidrogas no final de janeiro, depois de ter sido descoberto o envolvimento de oficiais da polícia numa tentativa de extorsão que envolveu a morte de um empresário sul-coreano. Após este caso, Rodrigo Duterte prometeu levar a cabo uma “limpeza” na Polícia Nacional antes de retomar a campanha.

Desde junho do ano passado, a campanha causou 7.080 mortos, dos quais 2.555 foram abatidos pela polícia, alegadamente por resistirem às autoridades, 3.603 estão classificados como “mortes sob investigação” e 922 foram casos cerrados sem identificar os culpados, segundos dados oficiais divulgados na segunda-feira. A campanha motivou duras críticas de países e organizações internacionais como a Human Rights Watch e a Amnistia Internacional, que consideram que a “guerra contra as drogas” nas Filipinas viola os direitos humanos da população.