Os custos de construção de habitação nova no continente aumentaram 2,1% em janeiro face ao mesmo mês do ano passado, acima do aumento homólogo de 1,7% de dezembro, segundo informou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). De acordo com os dados divulgados, a subida da taxa reflete “a aceleração da componente dos materiais, que passou de uma variação homóloga de 1,1% em dezembro de 2016 para 2,1% em janeiro de 2017”. Por outro lado, refere o INE, a componente da mão-de-obra apresentou uma variação de 2,2%, “valor superior em 0,1 pontos percentuais ao observado no mês anterior”.

Também as variações homólogas aos custos da construção de apartamentos e moradias novas aceleraram entre dezembro e janeiro: subindo de 1,6% para 2,1% no caso dos apartamentos e de 1,8% para 2,3% quanto às moradias.

Já o índice de preços de manutenção e reparação regular da habitação no continente registou uma variação homóloga de 1,8% em janeiro, valor superior em 0,2 pontos percentuais face ao registado no mês anterior.

Segundo o INE, todas as regiões apresentaram taxas de variação homólogas positivas, exceto o Alentejo, onde se verificou uma variação nula.