100% português

Esta marca não é só bonita, é UTIL e gosta de receber

113

Com um bengaleiro, copos, mesas e um minibar, a UTIL é uma nova marca de design construída em torno da ideia de hospitalidade que acaba por ser também uma montra da indústria que existe em Portugal.

Quando se recebem convidados em casa, a dança é quase sempre a mesma. Primeiro pedem-se os casacos, depois oferece-se algo para beber. Manuel Amaral Netto é um dos muitos portugueses que gosta de abrir as portas aos amigos. É também designer de produto e fã assumido de objetos, por isso teve a ideia de casar tudo e criar uma marca em torno do conceito de hospitalidade.

A UTIL nasceu no início do ano e reúne mobiliário e acessórios de decoração, “objetos que povoam a nossa casa e que ganham outro sentido quando os usamos com os amigos”, diz Manuel Amaral Netto. Designer de cinco das peças iniciais — para já são oito — quis construir a primeira coleção como quem abre a porta de casa e vai entrando. Por isso há um bengaleiro que tem também uma prateleira a meia altura onde se podem largar as chaves e o correio, um conjunto de um jarro e dois copos para oferecer algo para beber ou ainda um banco de madeira que tão depressa está encostado à parede, porque tem um lado do tampo cortado, como pode ser puxado para acomodar um convidado extra ou até servir de mesa de apoio.

O banco “Oyster”, feito em freixo maciço, tão depressa pode estar no meio da sala como encostado à parede, porque tem um dos lados do tampo cortado. © Nuno Sousa Dias

Da entrada da casa para a mesa, da primeira coleção fazem também parte uma fruteira, um candeeiro suspenso, um centro de mesa e um minibar que anda sobre rodas e por isso pode ser trazido para o centro da conversa. Objetos sociais, nacionais e ao mesmo tempo internacionais, uma vez que para pôr a marca de pé, Manuel Amaral Netto olhou ao mesmo tempo cá para dentro e lá para fora.

Quis convidar alguns designers europeus que fui conhecendo para desenhar as peças, e ao mesmo tempo desafiar parceiros específicos para as produzir em Portugal”, conta o fundador da marca. “Em Portugal temos alguma capacidade industrial, por isso a primeira fase da UTIL foi mesmo recolher a indústria presente no país — foi um ano praticamente só a perceber o que existia.”

O minibar e o bengaleiro foram feitos numa serralharia em Rio de Mouro, por exemplo, a fruteira em Alcobaça (ou não fosse a cidade conhecida pela cerâmica), os copos em vidro soprado da Marinha Grande. “São tudo peças facilmente feitas uma a uma mas também rapidamente industrializadas”, diz Manuel Amaral Netto. “Isso era importante para o lançamento da marca.”

O jarro e os dois copos foram feitos pela dupla Relvão Kellermann, de Munique, e vêm com um tabuleiro de chapa zincada. “A parte curiosa”, diz o fundador da marca, “é que o jarro não tem orientação, a água sai pelos dois lados”. © Nuno Sousa Dias

Apresentada em janeiro na Maison et Objet de Paris, uma das mais importantes feiras de design e decoração do mundo, a UTIL acaba de inaugurar a sua loja online e no final deste mês vai abrir uma pop-up store no atelier, onde as peças estarão a preços de revenda (de 75€ a 340€). Quem estará lá para abrir a porta? Manuel Amaral Netto, pois claro.

A coleção completa. © Nuno Sousa Dias

Nome: UTIL
Data: 2017
Pontos de venda: Loja online e pop-up store no atelier da marca (Rua de Pedrouços, 37 B, armazém 6, Lisboa) entre 22 e 31 de março.
Preços: 75€ a 340€.

100% português é uma rubrica dedicada a marcas nacionais que achamos que tem de conhecer.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: adferreira@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)