O Observador já aqui lhe tinha dado conta que a nova geração do LS, o topo de gama da Lexus, tinha por base a nova plataforma GA-L da divisão de luxo da Toyota – com uma distância entre eixos (3125 mm) superior à da variante de chassi longa do modelo da anterior geração, o que diz bem do espaço disponível a bordo, sobretudo para os passageiros traseiros. E que um dos principais argumentos da sua versão híbrida LS 500h, a que marcará presença no nosso país, reside na motorização híbrida com uma potência combinada de 354 cv, capaz de permitir a um modelo com 5235 mm de comprimento, e cujo peso não andará longe das duas toneladas, cumprir os 0-100 km/h em 5,4 segundos.

Relativamente ao sistema de propulsão, nota para a forma como o motor eléctrico auxilia o 3.5-V6 a gasolina na sua função de fazer mover o veículo. Se, num sistema híbrido convencional, tal ocorre através de uma engrenagem de redução única, na nova solução da Lexus (denominada Multi Stage) a potência é incrementada por um dispositivo com quatro estágios de engrenagem, o que melhora as acelerações e recuperações, e permite que o LS 500h circule em modo eléctrico até aos 140 km/h.

Por outro lado, e pese embora esta engrenagem possua “apenas” quatro velocidades, a electrónica inclui um padrão simulado de troca de mudanças capaz de proporcionar ao condutor a sensação de estar a utilizar uma transmissão automática de 10 relações. Além de ser adaptativa, ou seja, ajustando o respectivo funcionamento ao tipo de condução praticada, e de permitir ao utilizador reter a mudança engrenada, através das partilhas existentes no volante.

Disponível em versões de tracção traseira ou integral, o novo LS 500h estreia ainda um avançado dispositivo de segurança activa, o Lexus Safety System+, em cuja base está um sofisticado sistema de monitorização das imediações do veículo, assegurados por múltiplos sensores e câmaras. Entre as suas várias valências na prevenção da saída involuntária da faixa de rodagem, e de colisões pela traseira, com pões e em cruzamentos, destaque para a função de detecção de peões com direcção activa: se um atropelamento estiver iminente, o sistema não só aplica travões, como actua sobre a direcção para desviá-lo da potencial vítima.

No meio de tanta tecnologia, questões mais prosaicas, como a distinção, o luxo e o requinte também não foram esquecidos. As linhas exteriores falarão por si quanto às intenções da Lexus em distinguir-se num segmento que continua a ser dominado pelos fabricantes alemães, enquanto o interior promete ser tão sumptuoso quanto dotado das mais evoluídas soluções, destinadas a incrementar o bem-estar e o conforto a bordo. Ainda assim, destaque para os bancos dianteiros com regulação eléctrica em 28 vias, para o ecrã do sistema de infoentretenimento com 12,3” (em opção, o LS pode montar o maior monitor a cores do mundo destinado a um automóvel, com 24”) e para um pack opcional que faz dos lugares traseiros um dos melhores locais para se estar, com os respectivos bancos a oferecerem múltiplas regulações eléctricas, função de massagem Shiatsu e, até, reclinação até 48°, um descanso para as pernas e uma função de elevação até 24° para facilitar o acesso e a saída do veículo.

Ainda sem preços definidos, a nova geração do LS estará disponível em Portugal no início de 2018.