Guatemala

Meninas iniciaram fogo em orfanato na Guatemala em protesto contra abusos

Pelo menos 14 meninas morreram e outras 38 ficaram feridas num incêndio num orfanato na Guatemala, quando as jovens protestavam contra abusos sexuais e físicos.

@euronewspt/Twitter

Pelo menos 14 meninas morreram e outras 38 ficaram feridas num incêndio registado, esta quarta-feira, num orfanato na Guatemala, quando as jovens tentaram protestar contra os abusos sexuais e físicos que sofrem, segundo fontes familiares.

O provedor dos Direitos Humanos, Abde Paredes, explicou aos jornalistas que, segundo as primeiras investigações, o fogo foi posto pelas próprias meninas e terá começado num colchão.

Segundo o porta-voz dos bombeiros locais, Mario Cruz, pelo menos 19 pessoas foram encontradas mortas no local do incêndio, que continua a ser combatido. O departamento nacional da polícia referiu que um total de 38 pessoas ficaram feridas, 14 das quais em estado grave devido a queimaduras.

Uma centena de pessoas concentrou-se no local para pedir às autoridades as identidades dos mortos e feridos, não tendo recebido, até ao momento, qualquer informação.

As meninas feridas e mortas terão alegadamente escolhido o Dia Internacional da Mulher para protestar contra os abusos sexuais e físicos que sofrem no orfanato.

Com os olhos em lágrimas e cabeças cabisbaixas, pais, mães e irmãos de alguns dos internos exigem saber a verdade.O pai de Pablo, um menino de 14 anos, contou que o filho está no centro, mas desconhecia o seu estado. O homem salientou, contudo, não ter dúvidas que o filho é vítima de abusos.

É assim que tratam as pessoas. É uma porcaria. Tem feridas quando o venho ver e se lhe pergunto quem lhas fez fica zangado”, disse o homem, que prefere não se identificar.

Um grupo de mulheres comentou os testemunhos de crianças que alegam serem “espancadas e violadas”. “Não são criminosos, nem animais. São crianças, são pessoas, são adolescentes”, gritou uma delas.

O orfanato tem estado envolto em polémica desde 2016. Pelo menos 47 jovens fugiram, o que levou a Secretaria da Presidência, responsável pela custódia das crianças a destituir o diretor.

As autoridades investigam desde então os factos e uma juíza decretou o encerramento do centro, motivo que levou dois juízes do Supremo Tribunal da Justiça a deslocar-se ao local para verificar a situação.

Dezenas de bombeiros, polícia, Cruz Vermelha e membros da Coordenação Nacional para a Redução de Desastres estão no local.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)