Startups

Transformar sonhos em negócios de sucesso

Boas ideias podem originar projetos bem-sucedidos. O Programa “Montepio Acredita Portugal” dá o incentivo que falta e permite a pessoas de qualquer idade, com ou sem formação, dar rumos ao seu sonho.

Com o objetivo de permitir que qualquer pessoa de nacionalidade portuguesa tenha uma verdadeira oportunidade para perseguir o seu sonho empreendedor, a organização sem fins lucrativos Acredita Portugal está focada no desenvolvimento e promoção do empreendedorismo nacional.

A história do arranque desta organização remonta a 2008. José Miguel Queimado defendia a necessidade de se combater a crise psicológica que afetava o país, tão grave ou mais, do que a crise económica, como o próprio defendia. A oito de agosto desse ano, o então jovem consultor reuniu com um grupo de amigos do liceu para criar a então “Sonho Alcançado”, hoje conhecida como “Acredita Portugal”. Os fundadores acreditam nos portugueses e em Portugal e assim se começou a dar rumo ao sonho.

No dia seguinte à criação da associação, José Miguel Queimado viajou até Caminha onde iria começar uma maratona de 800 quilómetros, a terminar em Sagres, em apenas 15 dias, com o objetivo de conhecer os sonhos dos portugueses, despertar as suas ideias e criatividade e passar-lhes uma mensagem de otimismo.

Daí à realização da primeira edição dos concursos de empreendedorismo da associação foi um pequeno passo, correspondente aos anos de 2010 e 2011 onde foram inscritas 706 ideias empreendedoras. O crescimento tem sido exponencial e na sétima edição do concurso, este ano designado “Montepio Acredita Portugal”, foram aceites 12.983 candidaturas.

Entre as start-ups de sucesso que passaram pela Acredita Portugal estão a FollowPrice, a Dr. Gummy, o Impactrip, a Zercatto e a Meia Dúzia, entre muitas outras.

São muitos os parceiros que tornam possível a realização deste concurso, como é o caso da Caixa Económica Montepio Geral que se apresenta como main sponsor da iniciativa. Para João Lopes Raimundo, administrador da CEMG, “o Programa Acredita Portugal é considerado o maior concurso de empreendedorismo a nível nacional e o segundo maior do mundo que tem como objetivo premiar os melhores projetos e ensinar todos os portugueses no desenvolvimento das suas ideias. Estarmos envolvidos num projeto de grande dimensão como o ‘Acredita Portugal’ nos próximos três anos é uma decisão estratégica que irá, por um lado, reforçar o nosso posicionamento de Banco da Economia Social e do Empreendedorismo Social em Portugal, e por outro, colocar-nos enquanto entidade de referência dentro deste ecossistema de empreendedorismo. Para a edição deste ano, foi criado o Prémio Montepio na categoria de Empreendedorismo Social, cujo parceiro é o Impact Hub Lisbon que permitirá uma incubação de 6 meses para todos os finalistas deste grupo”.

Vencedores conhecidos em junho

Nesta edição, entre as várias categorias destacaram-se as 1.427 ideias de negócio na área de comércio e retalho, as 1.283 propostas na categoria de indústria de alta tecnologia e as 1.264 na área da restauração. A categoria de economia social contabilizou por sua vez 589 candidaturas, um número bastante positivo para a CEMG. Em relação aos prémios, são mais de 500 mil euros a distribuir pelos participantes. Os prémios são dados sob a forma de bolsa de serviços que irá ajudar em todas as despesas de arranque das start-up.

Qualquer pessoa pode concorrer desde que tenha uma ideia de um negócio. Não importa o sexo, a idade, ou se não teve formação prévia na área de empreendedorismo: neste concurso, são as ideias que contam.

O concurso de empreendedorismo “Montepio Acredita Portugal” permite aos vencedores contactarem com mentores, especialistas e investidores. Os melhores projetos têm ainda acesso a um programa de aceleração de start-up.

Neste momento, os concorrentes estão a preparar o plano financeiro das suas ideias de negócio e a trabalhar nas componentes “Plano de Trabalho”, “Receitas”, “Custos” e “Investimento” que são particularmente decisivas para os empreendedores uma vez que permitem perceber se os projetos são viáveis. O mesmo será avaliado pela Associação Acredita Portugal em meados de março, sendo os resultados comunicados no próximo dia 28.

Os projetos foram desenvolvidos online, através da plataforma educativa “Dreamshaper”, uma aplicação que permite acompanhar cada concorrente passo a passo até à conclusão do plano de negócios a implementar.

Seguem-se as fases de preparação do pitch, cuja apresentação decorrerá na sede da Microsoft, em Lisboa; pré-aceleração e mentoring, estando a avaliação final agendada para o final de maio. A divulgação dos vencedores acontecerá na Gala de Entrega de Prémios no dia 2 de junho, no Centro de Congressos de Lisboa.

Através desta iniciativa, a associação já apoiou 56.196 projetos e foram desenvolvidos 7.742 modelos de negócio.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

Caixa para que te quero

Inês Domingos

Centeno quis a toda a força financiar a Caixa para lá do que seria aparentemente preciso, mas disse no Parlamento que não tem interesse no resultado da auditoria que revelou os desmandos socialistas. 

Liberalismo

Por uma alternativa política

Manuel Loureiro
291

Vivemos contentes com crescimentos poucochinhos, resignados a um aperto económico com que as famílias vivem? Se em 1974 ganhámos a democracia, não estará agora na hora de lutarmos pela liberdade?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)