Sondagens

Sondagem. PS reforça vantagem sobre PSD

854

Quase 10 pontos separam, em março, os dois partidos. A maior distância é ajudada quer pela subida do PS quer pela descida do PSD. Só o BE não mexe.

ESTELA SILVA/LUSA

O PS está acima de 38% no barómetro SIC/Expresso de março, com uma subida de meio ponto face ao mês anterior. Em sentido contrário, o PSD desce duas décimas e fica a 9,5 pontos do principal adversário. Se à intenção de voto nos sociais-democratas juntarmos a manifestada em relação ao CDS, os dois partidos somam 36%, dois pontos abaixo dos socialistas.

Na análise do sobe e desce, só o BE escapa a variações. O partido coordenado por Catarina Martins mantém os 9,2% de intenções de voto que já trazia de março. A CDU desce este mês (0,3%, contra a subida de 0,5% do mês passado) e fica-se pelos 8%, mesmo assim com uma vantagem de oito décimas sobre o CDS (que sobe 0,2% para os 7,2%).

O PAN também sobe, e fá-lo de tal forma que recupera integralmente a queda abrupta que tinha sofrido em fevereiro: tem agora 1,8% das intenções de voto.

No capítulo da popularidade, Marcelo Rebelo de Sousa tem uma subida acentuada de mais de 58 pontos. É uma subida sem comparação, mas acontece num mês atípico: todos os líderes políticos, sem exceção, sobem. A ordem é esta: depois de Marcelo, António Costa (31,8 pontos), Jerónimo de Sousa (10,4), Pedro Passos Coelho (10,3), Assunção Cristas (9,7) e Catarina Martins (8 pontos).

Na realização deste barómetro foram realizadas 1222 tentativas de contacto, sendo que 211 (17,3%) pessoas não quiserem participar. Os contactos tiveram a seguinte distribuição: região norte (20,8%), área metropolitana do Porto (14,6%), região centro (28%), área metropolitana Lisboa (26,6%) e região sul (10%). A maioria dos inquiridos são mulheres (51,5%). As entrevistas telefónicas para números fixos foram realizadas entre 1 e 8 de março.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)