O primeiro-ministro dinamarquês Lars Løkke Rasmussen fez uma “proposta” este domingo ao seu homólogo turco, Binali Yildirim, para adiar a visita à Dinamarca prevista para este mês por causa da “escalada” de tensão entre Ancara e a Holanda.

“Essa visita não poderia acontecer abstraindo-se dos atuais ataques por parte da Turquia contra a Holanda. Então, propus ao meu colega turco adiar o nosso encontro”, disse em comunicado o chefe do governo dinamarquês.

Ministra turca expulsa da Holanda após escalada da tensão nas relações entre os dois países

O governante disse que, “em tempos normais”, será um prazer receber o primeiro-ministro da Turquia com a qual teve “um diálogo franco e construtivo” a 10 de dezembro em Ancara, mas que “vê com grande preocupação os desenvolvimentos na Turquia”, onde considerou que “os princípios democráticos estão sob forte pressão”.

Segundo Rasmussen, a visita do governante turco poderia ser visto como uma manifestação de “uma visão complacente” da Dinamarca para com os desenvolvimentos políticos na Turquia, “o que está longe de ser o caso”, assegurou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A visita oficial de Yildirim estava prevista ser realizada a 20 de março, de acordo com a rádio dinamarquesa DR.

A participação de ministros turcos em reuniões para promover o voto dos imigrantes turscos em países europeus tem provocado tensão nas últimas semanas entre Ancara e várias capitais europeias.

O objetivo dos governantes da Turquia é que os seus cidadãos na diáspora votem, referendo de 16 de abril, ‘sim’ ao reforço dos poderes do Presidente, Recep Tayyip Erdogan.

O Presidente turco acusou hoje o governo holandês de um comportamento “nazi e fascista” depois da expulsão de uma ministra turca que pretendia realizar uma reunião política na Holanda, afirmando que este país “pagará o preço”.