Em São Jorge, atualmente em exibição, Nuno Lopes é um pugilista com a corda na garganta que acede fazer cobranças à base da pancada para conseguir pagar as próprias dívidas e evitar que mulher e filho engrossem a lista de emigrados num país castigado pela troika.

Na fase de pesquisa para o filme, realizado por Marco Martins, o ator falou com cobradores — um deles chegou mesmo a contar-lhe como, uma vez, atirou um devedor, a quem depois deu umas quantas marteladas na cabeça, para dentro do porta-bagagens de um carro.

Conversámos com um recuperador de crédito que garante que não faz cobranças difíceis mas, ainda assim, não quer ser identificado: prestador de serviços a bancos e instituições financeiras de crédito, está obrigado por lei à confidencialidade.

“O tempo dos cowboys já acabou, não faço cobranças difíceis. Aliás, as cobranças difíceis são ilegais, implicam sempre coação, física ou moral. Já houve mais, mas continuam a existir empresas que dão mau nome à atividade e trabalham com indivíduos procurados pela judiciária, pessoas que cobram ao estilo da máfia, de gabardina até aos pés e armas lá dentro, sem problemas em dar tiros. Agora… para trabalhar com bancos é preciso ter um serviço à prova de bala, não infringir uma única lei — no fundo, apesar de não sermos funcionários somos os representantes deles lá fora.

Não existe nenhum curso para isto, nem sequer um certificado. Antes de começar eu não distinguia um ativo de um passivo, tive uma formação de uma semana, basicamente para perceber os procedimentos, e mais nada. Vai muito da experiência e da sensibilidade: o meu trabalho é fazer com que o cliente pague não tendo dinheiro, tenho de ter uma postura correta e usar muita psicologia — comportamento gera comportamento…

Como o sistema não está regulamentado, qualquer um pode abrir uma empresa para fazer cobranças. A nível legal não existem requisitos a cumprir, mas também são poucas as que conseguem trabalhar com instituições bancárias, a maioria limita-se a recuperar faturas, à comissão, o que dá muito menos dinheiro.

Chamarem-nos chulos é o mínimo. Conheço um cobrador que, num monte no Alentejo, foi perseguido por uma matilha de cães de guarda. Conseguiu fugir para o carro, mas até os pneus os cães lhe cortaram! Outro teve uma arma encostada à cabeça, por um homem desesperado a quem tinha de apreender o carro. Não é que tenhamos chatices todos os dias mas quando temos…

Lidamos com o lado negro das situações, com a falta, com o incumprimento, com a vergonha, nunca sabemos se do lado de lá está um doido numa situação de desespero. Andamos sempre na corda bamba, não é qualquer um que tem estofo (ou é louco) o suficiente para se meter nisto, é uma profissão de risco. E que nem sequer é muito bem paga, há uns dez anos conseguia receber entre 4 e 5 mil euros, hoje é difícil chegar aos 2 mil…

Mesmo assim há coisas piores, os tipos do Cobrador do Fraque, arriscam-se muito mais, por muito menos dinheiro. Imagine o que é ter um indivíduo durante 24 horas ao seu lado. Há muita gente que se passa, levam muitas vezes no focinho…

Da minha experiência, as pessoas mais humildes são as que se preocupam mais em pagar, são as que têm vergonha. De pessoas ricas já cheguei a ouvir coisas inacreditáveis, tipo ‘Você está a chatear-me porque eu tenho UMA renda atrasada?!’ Não podemos ceder, se eu me esfalfo a trabalhar para poder ter as minhas coisas, por que motivo hei-de ter pena de quem contrai dívidas atrás de dívidas?

Há uns tempos, 10% de todo o financiamento bancário passava para recuperadores de crédito. Significa que, em cada 100 contratos, 10 pessoas falhavam. A partir de 2011, os bancos fecharam as torneiras e limitaram bastante o crédito, mas ainda estamos a limpar tudo o que aconteceu para trás. Ainda hoje estive ao telefone com uma senhora que está a fazer uma reestruturação de crédito. Como é que em 2017 ainda se fazem créditos para pagar créditos para pagar créditos?! Há muita gente que compra por vício. E as pequenas empresas assumem isto tudo: a taxa de esforço do processo que acabei de analisar era de 200%! Como é que as pessoas se metem nisto?!

É muito desgastante, é preciso ter uma grande capacidade de auto-motivação para não nos deixarmos ir abaixo com os dramas dos clientes. Só houve duas situações que me tocaram, com dois casais. Os primeiros eram pessoas com um grau de pobreza extrema, compraram um daqueles conjuntos de tachos, na televisão, sem saberem que estavam a contrair um crédito, acabaram a dividir uma lata de salsichas na ceia de Natal.

Os outros eram um daqueles casos que podem acontecer a qualquer um de nós… Um casal de meia idade, classe média alta, de repente ficaram os dois desempregados, passaram a receber um terço do que recebiam. Geralmente não prolongo os processos por mais de 60 dias, ao fim desse tempo ou a dívida é paga ou morre — passo o processo para contencioso. Mas tive pena, ajudei-os, arrastei o caso durante sete meses. Não tinham sido irresponsáveis, não tinham feito créditos à maluca, aconteceu-lhes o que pode acontecer a qualquer um… Quando ficaram desempregados, e demasiado velhos para o mercado de trabalho, ainda tinham 3 ou 4 anos de prestações pela frente. Tinham poupanças e conseguiram cumprir sempre, até que o dinheiro acabou. Abdiquei das minhas comissões quase todas, fiz com que pagassem o mínimo dos mínimos e no final conseguiram acabar de pagar e ficar com o carro. Pelo menos agora já não é possível despejar as pessoas das próprias casas, se for a morada da família. Antigamente uma pessoa com 1000 euros em dívida arriscava-se a perder a casa, era impressionante…

Mais difíceis de resolver são os casos em que há burlas, a viciação automóvel é muito forte, os carros são uma área muito apetecível porque hoje são brancos, amanhã são pretos; muda-se o chassis e é outro carro; já para não falar nas placas de matrícula, que se mudam num instante. Há tempos houve aí um grupo que roubava BMW’s em dois minutos, sem chaves. É complicado chegar aos carros porque as polícias, os centros de inspeção e o IMT, que é o organismo que tem o poder de cancelar matrículas, não estão ligados, a informação não circula. Estima-se que estejam 60 mil carros para apreensão a nível judicial neste momento. E os burlões são muito criativos

Por exemplo, havia um toxicodependente no Porto, agarradíssimo, coitado, já se coçava todo, que, veio a descobrir-se, tinha dez empresas! Acontece muito no caso das burlas, as empresas abrem, fecham, mudam de mãos, os proprietários nunca aparecem, há sempre testas de ferro.

Neste caso foram comprados uma série de carros, que entretanto desapareceram, foram tirados do país, supostamente para o leste da Europa. Quando os cobradores lá chegaram para os recuperar e saldar a dívida, a única coisa que encontraram foi o tal rapaz. Foi ele que ficou a arder, nestas situações os carros nunca mais são recuperados; ninguém vai à Roménia nem à Ucrânia buscar um carro, não compensa. Percebeu-se depois que não era caso único: tinha dez empresas, tinham-lhe dado 100 euros de cada vez que o levavam para abrir uma. Foi ele que assumiu as dívidas, mas quem não tem nada não tem nada a perder. Sobretudo neste país, em que ninguém vai preso por ter dívidas

Agora os bancos já estão mais atentos, mas outra situação muito comum eram as dívidas de jogadores de futebol, normalmente estrangeiros. Chegavam, faziam o que tinham a fazer e iam-se embora. Houve um jogador de um grande que veio, comprou casa, carros, computadores e iPad‘s, e muito poucas vezes pagou. Era uma cara conhecida, jogador de futebol, tinha um salário milionário — quem é que ia duvidar? Fez cartões de crédito em tudo o que eram bancos, com 15 ou 20 mil euros de plafond cada um. Depois foi gerindo e abatendo umas prestações como lhe dava jeito, até que finalmente deixou de pagar tudo: já sabia que se ia embora do país dentro de uns meses… Era mesmo caloteiro e mentiroso, ainda pediu uma data de dinheiro emprestado a um colega, também estrangeiro. E ele emprestou! Até se ir embora disse a mesma coisa a toda a gente: ‘Vou pagar-te amanhã’.”