As autoridades da Malásia utilizaram o ADN do filho de Kim Jong-Nam, residente em Macau, para confirmar a identidade do corpo do meio-irmão do líder da Coreia do Norte, confirmou hoje o vice-primeiro-ministro da Malásia.

Os investigadores “confirmaram a identidade do corpo de Kim Jong-Nam, através da análise de ADN obtida ao filho”, da vítima, disse, Ahmad Zahid Hamidi. O vice-primeiro-ministro da Malásia não divulgou mais informações sobre as investigações que decorrem em Kuala Lumpur.

O filho de Kim Jong-Nam, de 21 anos, e a família vivem na Região Administrativa Especial de Macau, na China. Segundo a AFP a família exilada em Macau, receia novos ataques. Kim Jong-Nam morreu depois de ter sido atingido na cara com veneno, supostamente agente VX, no momento em que se encontrava no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur, no dia 13 de fevereiro.

TV divulga vídeo do alegado ataque mortal ao irmão de Kim Jong-un

A Coreia do Sul já responsabilizou o regime de Pyongyang pelo crime, mas a Coreia do Norte rejeitou as acusações e nunca chegou a confirmar de forma oficial a identidade da vítima que no dia do ataque estava na posse de um passaporte com o nome de Kim Chol.

Na sexta-feira, a Malásia confirmou oficialmente a identidade do corpo, mas faltava especificar o processo de obtenção do ADN. O caso está a deteriorar as relações diplomáticas entre Kuala Lumpur e Pyongyang. O regime norte-coreano já afirmou que a investigação que decorre na Malásia pretende denegrir Pyongyang insistindo que se tratou de um ataque cardíaco. Até ao momento, duas mulheres, uma de nacionalidade vietnamita e a outra indonésia, foram presas na sequência do crime.