Rádio Observador

Planetas

Cientistas liderados por português detetam vento meridional nos dois hemisférios de Vénus

Um grupo de cientistas internacionais liderado por um português identificou a existência de circulação de vento entre o equador e os polos, em Vénus, o que contribuiu para explicar a super rotação deste planeta.

ESA/HO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um grupo de cientistas internacionais liderado por um português identificou a existência de circulação de vento entre o equador e os polos, em Vénus, o que contribuiu para explicar a super rotação deste planeta.

Os nossos resultados mostram sem sombra de dúvidas – é complemente claro -, que existe realmente uma célula de Hadley, uma circulação meridional entre a zona equatorial e cerca de 60 graus de latitude norte, e outra célula simétrica no hemisfério sul”, em Vénus, disse hoje à agência Lusa Pedro Machado, que lidera a equipa.

O cientista do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA1) e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) acrescentou que o resultado do trabalho, hoje publicado na revista científica Icarus, referência na área de estudo do Sistema Solar, aponta para a existência, “como os modelos previam (…) de somente uma célula em cada hemisfério, em vez das três que existem na Terra, por exemplo”.

Termos a evidência de que existe realmente esta circulação é muito importante para tentar compreender algo que tem sido um ‘puzzle’ há décadas, que é o fenómeno da super rotação da atmosfera de Vénus”, realçou.

Pedro Machado explicou o movimento do vento meridional, dizendo que o ar aquecido na zona equatorial recebe mais radiação, aquece e sobe.

Ao nível da altura das nuvens em Vénus, que é de cerca de 70 quilómetros de altitude, a circulação segue ao longo dos meridianos, até cerca de 60 graus de latitude e desce.

“Existe um ramo desta circulação meridional abaixo da camada de nuvens de ar mais frio, que já entregou a sua energia em excesso nas altas latitudes, e regressa ao equador, fechando a célula”, resumiu o cientista.

Esta observação, defendeu, “é crucial para compreender a super rotação porque não se percebia como é que havia energia suficiente nas altas latitudes, onde recebe menos quantidade de radiação solar, para acelerar as partículas e para ter ventos”.

Em Vénus, a atmosfera roda cerca de 60 vezes mais rápido do que o globo sólido, o planeta em si, “um fenómeno muito raro”, apontou o investigador do instituto de astrofísica.

Vénus roda muito lentamente, “uma rotação completamente sobre si próprio é mais lenta do que o ano – uma rotação à volta do sol -, e a dinâmica da atmosfera é totalmente diferente da circulação atmosférica na Terra”, onde a atmosfera acompanha a rotação do planeta, explicou Pedro Machado.

Pedro Machado lidera o projeto de investigação, mas tem colaboradores em vários pontos do mundo, como Paris ou Japão, da agência espacial japonesa.

“A nossa ideia é desenvolver um método específico para conseguir medir o vento meridional, da célula de Hadley, usando o método de Doppler, usando um telescópio na Terra”, disse ainda o investigador.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)