Uma equipa de cientistas do Museu de História Natural da Suécia descobriu fósseis das plantas mais antigas do mundo na Índia, relata um estudo publicado na PLOS Biology. As plantas têm 1,6 mil milhões de anos e são 400 milhões de anos mais antigas que os fósseis mais antigos conhecidos até agora. Embora não haja amostras de ADN preservadas nos fósseis, as suas características de estrutura e morfologia indicam que são algas vermelhas. E podem trazer novidades sobre o momento em que as formas mais complexas de vida começaram a desenvolver-se na Terra.

As algas vermelhas são uma das primeiras plantas do nosso planeta. São também uma das algas eucarióticas mais antigas da Terra, ou seja, foram das primeiras a possuir células com membrana nuclear individualizada e vários tipos de organelos (componentes da célula), uma característica comum à maioria dos animais e plantas que existem atualmente. Este exemplar encontrado na Índia é uma “Rhodophyta” e é vermelha graças a um pigmento proteíco chamado ficoeritrina. De acordo com Stefan Bengtson, professor de paleozoologia no museu sueco, estas são as plantas multicelulares mais primitivas que conhecemos.

Estes fósseis, que representam uma janela para um dos eventos mais importantes para a biosfera, foram encontrados em rochas sedimentares em Chitrakoot, uma cidade no estado de Uttar Pradesh. Havia dois tipos de fósseis, todos eles de cianobactérias (bactérias que obtêm energia através de fotossíntese, tal como as plantas) chamadas estromatólitos, estruturas semelhantes a recifes formados por microrganismos em ambientes aquáticos. Alguns desses fósseis eram semelhantes a fios, enquanto outros pareciam colónias. Foi nestes últimos que identificaram as algas vermelhas porque tinha uma estrutura celular diferente.

Embora se estime que a vida na Terra tenha começado há 3,6 mil milhões de anos, julga-se que os organismos multicelulares eucarióticos de maior dimensão só tenham surgido há 600 milhões de anos, mesmo às portas do Fanerozoico, o éon geológico em que a vida começa a abundar na Terra.