O departamento de justiça norte-americano acusou esta quarta-feira quatro homens, incluindo dois espiões russos, por envolvimento no gigantesco roubo de dados das contas dos utilizadores do motor de pesquisa Yahoo. A empresa americana revelou no ano passado que piratas informáticos (hackers), patrocinados por um Estado, estavam por trás do ataque em 2014 a contas pessoais de 500 milhões de utilizadores do Yahoo.

Os quatro homens enfrentam juntos 47 acusações criminais, incluindo conspiração, fraude informática, espionagem financeira, roubo de segredos empresariais e roubo de identidade agravada, disse o Departamento de Justiça norte-americano. No total, e segundo a imprensa americana, serão acusados quatro suspeitos porque aquele que é considerado o maior ataque de pirataria informática da história.

Dmitry Aleksandrovich Dokuchaev, com 33 anos, e Igor Anatolyevich Sushchin, de 43, ambos com nacionalidade russa e residentes na Rússia, são os dois agentes da Agência Federal de Segurança da Rússia, a F.S.B. Os outros dois acusados são Alexsey Alexseyevich Belan, com 29 anos, também é russo e residente no país enquanto que o quarto homem acusado, Karim Baratov, tem 22 anos, dupla nacionalidade canadiana e do Cazaquistão e é residente no Canadá. Baratov foi detido no Canadá e presente a tribunal esta quarta-feira. Os outros três suspeitos estarão na Rússia.

Entre os dados pessoais roubados estavam nomes completos, endereços de mail, números de telefone, datas de nascimento e palavras passe codificadas. A Yahoo foi acusada de ter demorado demasiado a tempo a reconhecer este ataque numa altura em que estava a ser negociada a sua venda à Verizon Communications. Esta notícia chegou a ameaçar a concretização do negócio. A empresa assegurou que não houve roubo de informação associada a cartões de crédito. Os utilizadores do motor de busca foram entretanto aconselhados a mudarem as suas palavras passes.