O Ministério Público da Coreia do Sul informou esta quarta-feira que planeia convocar e interrogar a Presidente destituída Park Geun-hye na próxima semana, no âmbito do escândalo que a retirou do cargo. Park perdeu a imunidade presidencial depois de o Tribunal Constitucional confirmar na sexta-feira o fim do seu mandato devido a alegações de que conspirou com uma amiga para extorquir dinheiro de empresas e permitiu que a amiga interferisse com questões do Governo mesmo não tendo qualquer cargo.

O Ministério Público informou o advogado de Park de que esta será convocada na próxima terça-feira como suspeita no escândalo. Dezenas de figuras públicas, incluindo membros da administração de Park e o herdeiro da Samsung Lee Jae-yong foram acusados no âmbito do caso. Park pode ser acusada de extorsão, suborno e outros crimes, apesar de ter negado qualquer conduta ilegal.

A eleição para escolher o substituto de Park vai decorrer em maio. Moon Jae-in, líder da oposição liberal que em 2012 perdeu as presidenciais contra Park, é considerado o favorito, de acordo com sondagens.