República do Congo

Vice-primeiro-ministro congolês informa Angola sobre problemas por resolver no Congo

Leonard She Okitundu disse que o seu país tem problemas por resolver: a designação do presidente do Conselho Nacional de Acompanhamento e as modalidades de designação do novo primeiro-ministro.

A crise política instalou-se naquele país vizinho de Angola, com uma vasta fronteira comum, com a decisão do tribunal, de adiar as eleições para finais de 2017

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O vice-primeiro-ministro da República Democrática do Congo (RDCongo) disse esta quarta-feira que o seu país tem agora dois problemas por resolver: a designação do novo presidente do Conselho Nacional de Acompanhamento e as modalidades de designação do novo primeiro-ministro.

Leonard She Okitundu foi esta quarta-feira recebido pelo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, a quem transmitiu uma mensagem verbal do seu homólogo da RDCongo, Joseph Kabila.

Em declarações à imprensa no final da audiência, o também ministro dos Negócios Estrangeiros da RDCongo, disse que no último diálogo entre a oposição, a sociedade civil e a maioria presidencial ficou acordado que houvesse um período de transição, com o fim do mandato do Presidente Joseph Kabila.

O governante congolês sublinhou que durante o período de transição, o Conselho Nacional de Acompanhamento podia designar um primeiro-ministro, para trabalhar juntamente com o Presidente Kabila até às eleições.

“Desde a morte do presidente (Etienne) Tchisekedi, agora estamos a ter dois problemas. O primeiro problema é a designação do presidente do Conselho Nacionalidade de Acompanhamento e o segundo é o das modalidades de designação do novo primeiro-ministro, razão pela qual estes são dois problemas que estamos a tratar neste momento”, explicou.

O líder da oposição na RDCongo, que morreu a 1 de fevereiro passado, em Bruxelas, capital da Bélgica, onde se encontrava em tratamento médico, deveria liderar o Conselho Nacional de Acompanhamento até às próximas eleições.

Por sua vez, o ministro das Relações Exteriores de Angola, Georges Chikoti, disse que o seu país acompanha todo o processo que decorre na vizinha RDCongo, salientando que o seu homólogo veio a Luanda “no âmbito da boa vizinhança” dar informações ao Presidente angolano.

“Angola tem sido um grande parceiro para a RDCongo, com o acompanhamento da sua situação interna, mas também ao nível dos Grandes Lagos, tem sido Angola que representa a região”, sublinhou Georges Chikoti.

O chefe da diplomacia angolana salientou que Angola é neste momento o vice-presidente da Comunidade de Desenvolvimento de Países da África Austral (SADC) para as questões de defesa e segurança e a este título a SADC está preocupada com a saída da MONUSCO (Missão da ONU na RDCongo).

Segundo o governante angolano, a SADC quer que o mandato da MONUSCO “seja revisto para melhor responder, corresponder, às expectativas da RDCongo em termos de consolidação da paz”.

“Portanto, todas essas informações foram dadas ao Presidente angolano para que isso possa permitir como um ‘briefing’ sobre a situação mais recente da RDCongo”, avançou.

O chefe de Estado angolano preside atualmente a Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos (CIRGL) tem promovido vários encontros para o alcance da estabilidade política, abalada nos últimos tempos devido a divergências na alternância do poder.

A crise política instalou-se naquele país vizinho de Angola, com uma vasta fronteira comum, com a decisão do tribunal, de adiar as eleições para finais de 2017, mesmo depois de ter expirado o mandato do Presidente Kabila, em dezembro de 2016.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)