Startups

Probe.ly vence Caixa Empreender Award e recebe 100 mil euros

A "sonda" portuguesa que zela pela segurança das apps recebeu 100 mil euros da Caixa Capital. Em dezembro já tinha vencido a edição de outono do Lisbon Challenge, promovido pela Beta-i.

Probe.Ly

Autor
  • Cristiana Faria Moreira

A Probe.ly, startup lançada por Nuno Loureiro para ajudar empresas a construir aplicações mais seguras, venceu esta quinta-feira o Caixa Empreender Award e recebeu 100 mil euros da Caixa Capital. A empresa já tinha sido distinguida na edição de outono do Lisbon Challenge, o programa de aceleração de startups da Beta-i, Associação para a Promoção do Empreendedorismo, onde recebeu 75 mil euros da capital de risco do banco público.

A ideia de criar o Probe.ly nasceu dentro do Sapo há seis anos, mas só em abril do ano passado saiu do papel para pôr no mercado um software que permite a qualquer empresa testar a segurança das suas aplicações. Neste momento, o produto está a ser testado em versão beta por um grupo de empresas e, “dentro de um ou dois meses”, vai ser lançado no mercado.

O grande objetivo é entrar no mercado e, a partir daí, queremos alavancar nas vendas”, referiu Nuno Loureiro.

Na prática, o Probe.ly quer evitar acessos não autorizados que tenham a intenção de modificar, destruir ou revelar informação crítica e otimizar o trabalho do programador ou empresa na proteção das suas aplicações e códigos.

Numa empresa que tenha um site, uma aplicação web, com uma autenticação – um webmail, por exemplo – o que o Probe.ly faz é testar essa aplicação para encontrar problemas de segurança para evitar ver nas notícias que sites ou bases de dados foram comprometidas com informação dos utilizadores”, explicou o fundador da startup.

Sobre a iniciativa e o prémio de 100 mil euros da Caixa Capital, o líder da Probe.ly considerou que este tipo de eventos são “extremamente importantes, não só pelo dinheiro em si, mas pela exposição que dão à empresa no mercado”. Os 100 mil euros já têm destino. “Este dinheiro vai-nos ajudar a construir uma equipa de vendas e de marketing para alavancar o projeto e para atacarmos o mercado”, referiu Nuno Loureiro.

Depois da vitória no Caixa Empreender, e do investimento de 100 mil euros da Caixa Capital, a Bright Pixel (empresa de Celso Martinho, cofundador do portal Sapo, que quer ajudar outras empresas a crescer e que tem investimento da Sonae IM) anunciou um novo investimento na startup fundada por Nuno Loureiro. Os valores não foram divulgados.

“Este é um passo muito importante para a Probe.ly, do qual nos orgulhamos, mas também para o processo de afirmação da nossa metodologia e do crescimento do nosso próprio projeto”, referiu Celso Martinho, líder da Bright Pixel, em comunicado.

A startup já recebeu investimento de mais de 200 mil euros por parte da Bright Pixel e foi ainda uma das 66 startups que venceram o concurso Road2WebSummit, lançado pelo Governo no programa Startup Portugal, e apresentaram-se na Web Summit que decorreu no mês de novembro, em Lisboa.

Além da Probe.ly estavam a concurso outros seis finalistas: KIDE, UpHill, Faarm, Eat Tasty, DART e NeuroPsyCAD. Cada um foi selecionado através de programas de aceleração promovidos pela Startup Braga, Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), Caixa Capital (Startup Lisboa Boost), Beta-i (Lisbon Challenge) e COTEC (COHiTEC), respetivamente.

A vencedora da edição do ano passado do Caixa Empreender Award foi a Prodsmart, o projeto lançado por Gonçalo Fortes que promete transformar qualquer linha de produção numa fábrica digital.

*Artigo atualizado a 21 de março com informação sobre o investimento da Bright Pixel

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)