O Turismo de Portugal, em parceria com a Agência Abreu, Airbnb, Amadeus, Cityrama (Grupo Barraqueiro), NOS e Grupo Pestana, vai lançar um novo acelerador de empresas com a organização da associação para promoção do empreendedorismo Beta-i. Chama-se “The Journey” e está à procura de startups que apresentem soluções nas áreas de experiência no destino, otimização do negócio e turismo sustentável. As candidaturas começaram esta quinta-feira e prolongam-se até 7 de maio.

Queremos trazer startups de topo, sobretudo europeias, para fazer os pilotos nestes sete parceiros, o que é um win-win total. Por um lado, as startups procuram um grande cliente, uma parceria estratégica, e perceber da indústria aprofundadamente. Por outro, os parceiros querem muito inovar e trazer mais valor aos seus clientes e alargar a sua atividade”, referiu Manuel Tânger, Head of Innovation & Corporate Acceleration da Beta-i, ao Observador.

Considerando o Turismo como um “dos mais importantes setores da economia nacional e um dos que mais tem crescido em Portugal”, este programa de aceleração surge numa altura em que se antecipa que “o Turismo cresça a uma razão de 4% ao ano nos próximos dez anos. De facto, o objetivo declarado é que, em 2027, Portugal possa registar 80 milhões de dormidas. No ano passado o país recebeu 53,5 milhões de dormidas, um novo recorde histórico para o setor, que representa um crescimento superior a 10%. Mas para manter este crescimento de forma sustentada, é preciso também alavancar em inovação”, referiu Pedro Rocha Vieira, cofundador e líder da Beta-i.

Depois de avaliadas as candidaturas, vão ser selecionadas 25 startups para participarem numa semana de bootcamp (de 26 a 30 de junho) com todos os parceiros. Desses 25, 15 projetos passam para uma fase de pré-aceleração para preparação de pilotos e de prototipagem durante dois meses (de 3 de julho e 8 de setembro) para passarem depois para a fase de aceleração, que vai decorrer de 11 de setembro a 3 de novembro. E que vai culminar com um pitch day, a 6 de novembro, durante a Web Summit.

O “The Journey”, explica Manuel Tânger, procura startups que estejam já no mercado e que tenham uma solução técnica que possa ser testada já em setembro.

“Não procuramos grandes startups. Estamos à procura das startups com o melhor fit (encaixe) para o programa. O objetivo é trabalhar e integrar estas grandes empresas. Ter uma app ou um projeto que vai para o Pestana, outra que a Airbnb adota ou que a Amadeus começa a vender. Isso é o prémio”, notou o responsável.

Manuel Tânger acredita que, apesar de muitos destes parceiros não terem experiência com startups, sentem cada vez mais “a necessidade” de ter esse trabalho.

“É uma vertente em que querem inovar mas ainda não sabem bem como ou têm algumas experiências mas não tão estruturadas. Quando desenhamos este programa com o Turismo de Portugal era uma forma organizada de o fazer. Falamos individualmente com cada parceiro. Passamos horas e horas com eles, tentamos perceber os negócios deles e para onde os estão a orientar. Estamos a trazer startups para desafios que as empresas identificaram para depois criar um sistema de pilotagem e, eventualmente, contratação ou investimento”, rematou.