O escritório das Nações Unidas em Timor-Leste recomendou aos seus funcionários que, se possível, fiquem em casa durante a reta final da campanha para as eleições presidenciais de segunda-feira, evitando concentrações de militantes dos partidos. A recomendação faz parte de um aviso de segurança distribuído internamente a quadros das Nações Unidas em Timor-Leste pelo Departamento de Segurança e Proteção das Nações (UNDSS na sua sigla em inglês) e a que a Lusa teve acesso. “A partir de sexta-feira e até ao fim da eleição, se não tiver que deslocar-se no país, deve ficar em casa até ao fim do processo eleitoral”, recomenda a UNDSS, num texto que foi remetido para organizações internacionais em Timor-Leste.

A UNDSS recomenda ainda que se evitem “comícios e grandes grupos espontâneos”, circular por algumas zonas da cidade – nomeadamente Tasitolu (onde decorrem na sexta-feira comícios finais de campanha), Becora, Beto e Bebonuk. Recomenda ainda evitar viajar entre as 12h e as 18h entre Díli e a vila de Liquiçá, a oeste da capital, onde também há um comício de encerramento.

O embaixador de Portugal em Díli, Manuel Gonçalves de Jesus, emitiu também esta quinta-feira um curto email, recomendando aos cidadãos portugueses “alguma prudência no final da tarde” de sexta-feira “face à realização de dois comícios eleitorais em Díli”. “Por último e ainda no âmbito das eleições presidenciais, gostaríamos de recomendar alguma contenção nas deslocações para fora de Díli no próximo fim-de-semana de 18 e 19”, conclui no e-mail, que inclui um folheto com informações úteis.

Um aviso idêntico foi emitido pela embaixada australiana em Díli, que refere ter havido “violência localizada associada com comícios de campanha em Díli” e considera que “mais violência é possível”. A campanha eleitoral, que termina na sexta-feira, tem decorrido praticamente sem incidentes, com apenas um caso registado logo no primeiro dia. Esse incidente envolveu quatro apoiantes da campanha de António da Conceição (apoiado pelo Partido Democrático), que apedrejaram carros de militantes da Fretilin que voltavam de um comício. Não houve registo de vítimas.

Os australianos recomendam que se evitem encontros espontâneos, demonstrações e protestos “porque a situação de segurança pode deteriorar-se sem aviso”. Apesar de a campanha terminar na sexta-feira e de haver dois dias de período de reflexão, a embaixada diz que se espera que “a campanha se intensifique no fim de semana de 17 a 20 de março”.

Oito candidatos apresentam-se às eleições de 20 de março. As mesas de voto estarão abertas entre as 7h e as 15h, hora local (22h de domingo e 6h de segunda-feira em Lisboa).

O Governo concedeu dois dias de tolerância de ponto, na segunda e terça-feira, devendo a paragem ser seguida pelo setor privado. Bancos e a escola portuguesa em Díli estarão encerrados. As tolerâncias de ponto visam permitir que os eleitores se desloquem aos locais onde estão registados para votar que, em muitos casos e devido às condições das estradas, obrigam a viagens de longas horas.