Aníbal Cavaco Silva

Cavaco Silva. “Há políticos que dizem que a zona do euro é a bruxa má”

195

Só se Portugal "enlouquecesse" é que saía da zona do euro, enquanto a maior parte dos políticos que falam na retirada do seu país "ignoram as dificuldades e as consequências", palavras do ex-PR.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Aníbal Cavaco Silva não prevê que Portugal saia da União Europeia ou que a moeda única caia. Na segunda parte de uma entrevista dada ao jornal Público, publicada este domingo, o ex-Presidente da República diz estar convencido que o país vai permanecer na UE “porque só se Portugal enlouquecesse é que saía da zona do euro”. Cavaco argumentou ainda que “há políticos que olham para a zona do euro e dizem que a zona do euro é a bruxa má, quando deviam agradecer as taxas de juro que este momento pagam em resultado da política seguida pelo BCE.”

Falando sobre o futuro da União Europeia e dos esforços necessários para completar a união monetária, numa entrevista que antecede o Conselho de Estado que visa discutir a Europa, o ex-PR defende que, neste momento, toda a força deve ser colocada “no fortalecimento da zona euro” e que cabe aos 19 Estados-membros que formam a eurozona chegar a um acordo e optar por uma “posição comum”.

Cavaco Silva alega ainda que os países que defendem a saída do euro estão a esconder as consequências associadas a tal decisão: “A maior parte dos políticos por essa Europa fora e em Portugal que falam na retirada do seu país da zona euro eu acho que ignoram as dificuldades e ignoram as consequências”.

Eu acho que não se vai desmoronar a zona do euro, porque qualquer governo com o mínimo de bom senso que à sexta-feira pense em tirar o seu país do euro, no domingo entra em pânico sobre aquilo que acontece na segunda-feira”.

Na opinião do ex-PR, “a criação da zona euro foi um passo de gigante no aprofundamento da integração europeia”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Política

Manual de evasão governamental /premium

Rui Ramos
527

A estagnação da economia e a estatização da sociedade tinham de dar nisto, numa política reduzida a um círculo fechado de amigos e de parentes. Mas em vez de enfrentarmos isso, ataquemos Cavaco Silva.

Governo

Como impedir o "bingo da trafulhice"? /premium

Luís Rosa
238

Podemos mesmo confiar em políticos que não quiseram defender a transparência e querem agora construir às três pancadas' uma lei para evitar novos familygate? Só pode ser uma receita para o desastre.

Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)